O Jeep® Gladiator será o protagonista do Easter Jeep Safari deste ano, já que a Jeep e a Mopar uniram forças, mais uma vez, para criar seis novos protótipos personalizados para o evento que anualmente se realiza na região de Moab, no estado norte-americano de Utah, nesta edição que vai de 13 a 21 de abril. Pelo 53º ano, milhares de entusiastas do off-road se concentrarão para encarar algumas das mais belas e desafiadoras trilhas dos Estados Unidos.

“O Moab Easter Jeep Safari é o local perfeito para interagir e obter feedback dos nossos mais fiéis e fervorosos clientes – os indefectíveis entusiastas que todos os anos vão ao evento,” afirmou Tim Kuniskis, diretor da Jeep para América do Norte. “O Safari deste ano vai marcar a estreia do tão aguardado Jeep Gladiator no cenário de Moab e suas trilhas exigentes. Para celebrar, estamos apresentando seis divertidos e ultracapazes veículos conceituais com base na picape Jeep que, seguramente, farão virar cabeças e deliciar o público.”

Nesses conceitos, há uma vasta seleção de peças da linha Jeep Performance Parts (JPP), tanto de série como protótipos. A Mopar desenvolve todos os itens da JPP segundo rigorosas especificações e com a lendária capacidade 4x4 em mente. Isto permite aos clientes da Jeep melhorar os veículos com total confiança.

“A personalização é uma das prioridades dos entusiastas da Jeep. É por isso que desenvolvemos, de forma proativa, um portfólio com mais de 200 exclusivas peças e acessórios para o novo Jeep Gladiator,” disse Steve Beahm, Chefe de Peças e Serviços (Mopar) e de Marcas de Carros de Passeio da FCA para América do Norte. “Este portfólio se beneficia de garantia de fábrica e foi submetido a dezenas de milhares de horas de desenvolvimento, testes e validação, de modo a oferecermos tranquilidade aos nossos clientes, além de um grande leque de produtos. No Easter Jeep Safari de 2019, vamos inspirar os nossos clientes apresentando apenas uma parte do que estamos preparando para nosso catálogo e também alguns protótipos de acessórios que poderão entrar em produção num futuro próximo."

Jeep Wayout

O protótipo Jeep Wayout é um verdadeiro todo-o-terreno que aproveita a capacidade de carga, líder na classe, do Novo Gladiator. O Wayout é um veículo funcional que exibe uma barraca para duas pessoas no teto e um amplo toldo personalizado. A carroceria reforçada distingue-se pela nova cor Verde Gator, que estará disponível na linha Gladiator de série.

Para maior conveniência, estão integrados dois reservatórios de combustível auxiliares feitos sob medida nos para-lamas traseiros. O potencial off-road foi ampliado com o kit de elevação da Jeep Performance Parts de 2” (5 cm) e os pneus lameiros de 37” e rodas de aço, tudo passando uma nítida sensação retrô, lembrando as picapes Willys originais. Além disso, um guincho Warn com capacidade de 5.440 kg e um snorkel da JPP ajudam a superar múltiplos obstáculos – seja em piso seco ou molhado.

Jeep Flatbill

Desenhado com o estilo de vida no deserto em mente, o conceito Jeep Flatbill representa mais uma divertida interpretação do Novo Gladiator, associado às emoções extremas do Motocross –  com visual inconfundível, forte e rude, é a solução definitiva para transportar “brinquedos” radicais. A cultura das motos fora de estrada inspira o capô ventilado de fibra de carbono os extensores de para-lamas elevados, enquanto o para-choque dianteiro menor, personalizado, e a placa inferior de proteção melhoram o ângulo de ataque.

O Flatbill está completamente equipado para transportar motos para qualquer aventura em todo o terreno. No lugar da tampa traseira, foram instaladas rampas específicas, com rodas, que deslizam para fora e facilitam o acesso à caçamba. Os eixos dianteiro e traseiro Dynatrac Pro-Rock 60 e o kit de elevação de 4" personalizado Off-Road Evolution ajudam a Flatbill a superar qualquer obstáculo. Juntamente com amortecedores traseiros especiais e rodas aro 20" com pneus de 40".

Jeep M-715 Five-Quarter

Dando continuidade à tradição do Easter Jeep Safari de incríveis "Resto-Mods", o Jeep M-715 Five-Quarter é um perfeito mix de componentes antigos e modernos. O termo "Five-Quarter" é uma alusão às picapes Jeep do passado que eram de uma tonelada e um quarto (1.250 kg)  – ou "cinco quartos". Começando como um M-715 de 1968, este veículo militar baseado na Gladiator da época foi recriado com melhoramentos em termos de design e funcionalidade no chassi, na transmissão e nas configurações de carga, resultando numa obra-prima de grandes capacidades.

Por fora, a dianteira agora é de fibra de carbono. Outra modificação na carroçaria incluem uma diminuição de 9 cm altura da capota, de lona, realçando ainda mais o perfil "monster truck". Os faróis dianteiros são HID (Descarga de Alta Intensidade) e há luzes auxiliares de LED para proporcionar ampla visibilidade. A suspensão teve os feixes de mola trocado por molas helicoidais. Além disso, o eixo dianteiro foi avançado 5 cm e substituído por um Dynatrac Pro-rock 60. O eixo traseiro é Dynatrac Pro-rock 80, enquanto as rodas de aro 20" com beadlocks fazem par a enormes pneus de 40". Para completar, debaixo do capô do Jeep M-715 Five-Quarter foi instalado nada menos que um HEMI V8 6.2 "Hellcrate", com compressor, que ultrapassa os 700 cv.

Jeep J6

Esse conceito Jeep J6 mistura o clássico estilo Jeep do final dos anos 1970 com as peças da linha Jeep Performance Parts, da Mopar. A Jeep J6 foi baseada no Gladiator Rubicon mas com uma exclusiva cabine simples, maximizando o espaço de carga com um funcional compartimento de cerca de 1,80 m de comprimento, 30 cm a mais que no Gladiator de série. A Mopar e o time de design da Jeep recuaram no tempo para recuperarem o mesmo azul disponível no Jeep Honcho 1978.

Experimental, o santantônio é a base para quatro faróis de LED de 12 cm da Jeep Performance Parts – há mais luzes auxiliares de LED na barra sobre o para-choque frontal. Logo abaixo, na caçamba, o suporte do estepe pode alojar uma roda de até 37", como as que equipam o modelo. A suspensão foi elevada com um kit da JPP de 5 cm. A capota rígida do protótipo é removível e os emblemas Jeep e J6 na tampa traseira e nos para-lamas têm tipologia clássica.

Jeep JT Scrambler

O protótipo Jeep JT Scrambler é inspirado na herança da marca, resgatando as cores e aos grafismos da icônica picape CJ-8 Scrambler, da década de 1980. Partindo do Jeep Gladiator Rubicon, o Scrambler recorre bastante à linha Jeep Performance Parts da Mopar, incluindo as quatro luzes LED de 12 cm no alto do santantônio e as duas à frente das colunas A. A iluminação dianteira é completada por um par de faróis de LED à frente da grade frontal.

As rodas JPP de 17 polegadas são personalizadas com um tom de bronze para combinar com as faixas laterais. O kit de elevação de 5 cm ajuda a abrigar os grandes pneus de 37" e as resistentes proteções inferiores laterais Jeep Performance Parts, com superfície antiderrapante. A potência do motor Pentastar V6 3.6 (o único oferecido hoje no Gladiator) é incrementada com entrada de ar frio e escape cat-back da Mopar.

Jeep Gladiator Gravity

Esse conceito foi pensado para os escaladores de rocha e tem o Gladiator Rubicon como ponto de partida, na chamativa cor Laranja Punk'N Mettalic. Apesar do estilo radical, todas as alterações foram feitas com acessórios já disponíveis na linha Jeep Performance Parts. Caso das portas feitas com tubos de aço, que reforçam a liberdade a céu aberto incomparável do Gladiator entre as picapes médias.

A versatilidade do Gladiator foi amplificada com racks transversais da Mopar montados sobre as bordas da caçamba, que apoiam uma cesta ideal para equipamentos de escalada como cordas, mosquetões, capacetes e tênis. Exatamente abaixo, no leito da  está o exclusivo sistema Mopar/Decked com duas grandes gavetas deslizantes para organização e armazenamento seguro de inúmeros tipos de carga. E ainda com espaço disponível entre as gavetas e o cesto.

Para o fora de estrada, o Jeep Gladiator Gravity tem a distância ao solo elevada com o kit de 5 cm da JPParts e as rodas de 17" são “abraçadas” por pneus de 35". As proteções laterais inferiores em aço de alta resistência Jeep Performance Parts são mais espessas e largas, além de utilizarem o mesmo revestimento antiderrapante das caçambas de picapes Ram. Na frente da grade preta acetinada Mopar, as luzes LED de 18 cm" iluminam o caminho com a ajuda dos projetores LED de 12 cm nas colunas A.

Na cabine, destaque para os bancos de couro da Katzkin com o símbolo da grade Jeep bordado. Entre outros acessórios Mopar, encontram-se alças de apoio para os passageiros, bolsas porta-objetos MOLLE (Modular Lightweight Load-carrying Equipment), fixadas nas costas dos bancos dianteiros, e tapetes com um exclusivo sistema que permite drenar água e sujeira.

Por Leo Tavares direto da redação com a colaboração e foto da Jeep.

Jomar Grecco e Fábinho Amaral estão a caminho da Bahia, onde no próximo sabado (13) e domingo (14), será realizado pela primeira vez em Prado o Campeonato Brasileiro de Enduro Regularidade. Será o enduro Costa das Baleias, o primeiro de cinco previstos na temporada, em rodada dupla. 
 
A bordo de uma Yamaha WR 450F, o capixaba Jomar segue em busca do tetracampeonato. Ele é hoje o principal atleta da modalidade no país e o nome a ser batido na categoria principal, a Máster. 
"Neste longo período entre uma temporada e outra eu não me descuidei, treinei bastante, não vejo a hora de colocar meu Airoh (capacete) na cabeça e acelerar em busca de mais um título na minha carreira. É importante começar bem a temporada e me sinto bem preparado e esperei muito por esse momento", disse entusiasmado Grecco. 
 
Já o mineiro Fabio Amaral representa o time oficial da Yamaha na categoria Brasil, no comando de uma TTR 230. Atento ao solo predominante de areia, ela vai utilizar os pneus Kenda modelo Millville, o mais adequado para esse tipo de terreno. 
 
Jomar e Fabinho transportam seus materiais de carrida nas malas de equipamento Ogio e vão utilizar os óculos Dragon, botas Gaerne e o conjunto calça, camisa e luvas ASW, além de brace MrPró.
 
Nas motos, além da completa linha de lubrificantes Motul, as suspensões são preparadas pela W-Tech Brasil, as coroas fabricadas pela Durag, os escapamentos Foco Racing, guidãos Protaper, BR Parts componentes e correntes DID. Já os plásticos e protetores são da Circuit com gráficos Alex Design. 
 
A gestão da equipe é da concessionária O2BH Yamaha, que pertence a Grupo Orange e tem Carlos Augusto Constantino como diretor comercial e de competições. Ao todo o grupo apoia mais de 20 atletas brasileiros em modalidades esportivas on e off road.

Por Leo Tavares direto da redação com a colaboração de Flávio Bergman e foto de Janjão Santiago.

 Novos índices para a indústria de motocicletas apontam crescimento de 6,1% na produção, de 10,7% nas vendas ao atacado e de 8,5% nas vendas ao varejo; nas exportações a nova expectativa é queda de 41,2% A Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo revisou suas projeções para este ano. A nova expectativa é que a produção atinja 1.100.000 unidades, elevação de 6,1% ante o resultado de 2018 (1.036.846 motocicletas). A estimativa anterior, apresentada em dezembro do ano passado, era de 1.080.000 unidades, alta de 4,2% ante 2018.

Também foram revisadas para cima as perspectivas de vendas no atacado e no varejo. No atacado, ou seja, no repasse de motocicletas das fábricas para as concessionárias, a nova estimativa é de 1.060.000 unidades, elevação de 10,7% ante 2018 (957.617 unidades). A estimativa inicial indicava 1.031.000, alta de 7,7%.

No varejo, ou seja, emplacamentos, a nova projeção é de 1.020.000 unidades, crescimento de 8,5% ante 2018 (940.108 motocicletas). Anteriormente a perspectiva era de 998.000 unidades, aumento de 6,2%. A associação também revisou as projeções de exportação para 2019, que agora apontam embarque de 40 mil unidades, baixa de 41,2% ante 2018 (68.073 motocicletas). Em dezembro a estimativa era de 49 mil unidades, queda de 28%.

Na avaliação de Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo, “a retomada do setor de motocicletas no mercado interno no primeiro trimestre superou as expectativas. A estabilidade das taxas de juros no menor patamar histórico e a ampliação da oferta de crédito pelos bancos têm contribuído para a recuperação mais acelerada do setor. Já em relação às exportações, o recuo está diretamente relacionado à redução dos embarques para a Argentina, principal destino das motocicletas fabricadas no Polo industrial de Manaus”.

 

PRODUÇÃO NO PRIMEIRO TRIMESTRE

No acumulado dos três primeiros meses do ano foram produzidas no Brasil 276.835 motocicletas, alta de 6,6% ante igual período de 2018 (259.587 unidades).

Em março foram produzidas 91.537 motocicletas, queda de 3,3% na comparação com março de 2018 (94.649 unidades) e de 9,6% ante fevereiro (101.292 unidades). “Tivemos 19 dias úteis em março, dois a menos que no mesmo mês do ano passado e um a menos que fevereiro”, explica Fermanian. 

VENDAS NO ATACADO

De janeiro a março deste ano as vendas no atacado somaram 270.641 motocicletas, alta de 15,7% ante mesmo período de 2018 (234.010).

Apenas em março o repasse de motocicletas para as concessionárias foi de 93.559 unidades, aumento de 7,2% ante março de 2018 (87.243 unidades). Na comparação com fevereiro foi registrada queda de 2% (95.427 unidades).

EMPLACAMENTOS

De acordo com levantamento do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), foram emplacadas 258.652 motocicletas no primeiro trimestre deste ano, alta de 17,9% ante mesmo período de 2018 (219.304 motocicletas).

Ainda com base nos dados do Renavam, em março foram licenciadas 83.798 motocicletas, elevação de 5,6% ante março de 2018

(79.320 unidades). Na comparação com fevereiro foi registrada queda de 0,4% (84.150 motocicletas).

Em março a média diária de vendas foi de 4.410 unidades, crescimento de 16,8% ante março do ano passado (3.777 unidades) e de 4,8% ante fevereiro (4.208 motocicletas). “É o melhor resultado alcançado pelo setor para o mês de março desde 2015. O aumento na média diária comprova a retomada do setor”, analisa Fermanian. 

EXPORTAÇÕES

No primeiro trimestre foram exportadas 11.382 motocicletas, recuo de 51,2% ante mesmo período de 2018 (23.320 unidades). Em março o volume embarcado foi de 3.525 unidades, redução de 54,5% na comparação com o mesmo mês de 2018 (7.747 motocicletas). Em relação a fevereiro, houve aumento de 7,2% (3.287 unidades). 

Segundo dados do portal de estatísticas de comércio exterior Comex Stat analisados pela Abraciclo, a Argentina foi o principal comprador de motocicletas brasileiras no primeiro trimestre, com 3.832 unidades, 37,7% do total. Em segundo lugar ficaram os Estados Unidos, com 2.224 unidades e 21,9% de participação, e em terceiro o Canadá, 1.488 unidades e 14,7% de participação.

Em março a Argentina manteve a liderança com 2.660 motocicletas compradas do Brasil, com 53,2% do total, seguida pelo Canadá, com 988 unidades e 19,7% de participação, e pelos Estados Unidos, com 608 unidades e 12,2% de participação.

DESEMPENHO POR CATEGORIA NO ATACADO

A Street liderou o ranking de motocicletas mais comercializadas por categoria no País no primeiro trimestre de 2019, com 51,8% de participação (140.256 unidades, alta de 17,2% ante 119.723 no primeiro trimestre de 2018). Em segundo lugar ficou a Trail, com 19,4% (52.459 motocicletas, crescimento de 1,7% ante 51.599 no mesmo período do ano passado). A Motoneta ficou na terceira colocação com 15% (40.616 unidades, elevação de 23,3% ante 32.948 de janeiro a março do ano passado).

Na sequência do ranking vieram Scooter, com 7,5% de participação (20.232 motocicletas, crescimento de 31,5% ante 15.386 do primeiro trimestre de 2018), e Naked, com 2,4% de participação (6.574 unidades, avanço de 16,5% ante 5.642 no mesmo período do ano passado).

Em março as posições do ranking se mantiveram: Street em primeiro com 48,8% de participação (45.688 motocicletas), seguida por Trail com 19% (17.736), Motoneta com 15,5% (14.462), Scooter com 10,5% (9.822) e Naked com 2,3% (2.114).

As características básicas das motocicletas de cada categoria são:

Street – Motocicleta de baixa ou média cilindrada destinada ao uso urbano.

Trail – Motocicleta de baixa ou média cilindrada destinada ao uso misto, tanto em vias pavimentadas quanto em terreno não pavimentado.

Motoneta – motociclo underbone, destinado ao uso urbano, de baixa cilindrada e dotado de câmbio automático ou semiautomático.

Scooter - Motociclo de câmbio automático ou semiautomático, concebido para privilegiar o conforto.

Naked – Motocicleta sem carenagem, com motor propositalmente exposto e de alto desempenho, concebida para a utilização em terrenos pavimentados. Semelhante a uma motocicleta versão “Sport” sem a carenagem.

Big Trail – Motocicleta de média ou alta cilindrada destinada ao uso misto em terrenos pavimentados e não pavimentados.

Off-Road – Motocicleta de qualquer cilindrada destinada exclusivamente à utilização em pisos não pavimentados.

Custom – Motocicleta caracterizada por sua vocação para percursos de estrada, destacadamente os mais longos, chamadas de “estradeiras”, que não priorizam velocidade e, sim, conforto.

Sport - Motocicletas de cilindradas médias ou superiores com carenagem que privilegia a aerodinâmica e o alto desempenho.

Ciclomotor – Veículo de duas ou três rodas, provido de um motor de combustão interna, cuja cilindrada não exceda a 50 cm³.

Touring – Motocicletas usualmente de alta cilindrada concebidas para utilização em turismo e viagens de grandes distâncias.

DESEMPENHO DE SCOOTERS NO VAREJO

Os emplacamentos de Scooters no primeiro trimestre somaram 18.730 unidades, alta de 7,3% na comparação com o mesmo período do ano passado (17.451 unidades). Em março foram licenciadas 5.990 Scooters, queda de 4,4% ante 6.264 unidades em março de 2018. Na comparação com fevereiro, baixa de 1,6% (6.085 unidades).

Por Leo Tavares direto da redação com a colaboração da Abraciclo.

Falta pouco para a largada do Campeonato Brasileiro e Mineiro de Motocross. Nos dias 13 e 14 de abril, Alfenas(MG); A pista do Motódromo Fênix Racing tem visibilidade total permitindo ao público acompanhar os pegas de onde estiver.

A FMEMG conseguiu junto a CBM, a isenção do valor de inscrição do BRMX para os pilotos licenciados em MG. A referida inscrição deve ser feita através do site http://cbm.esp.br/modalidade.php?mod=13, 

porém sem o pagamento do boleto bancário.

IMPORTANTE: A isenção no BRMX só ocorrerá se o piloto licenciado à FMEMG estiver devidamente inscrito no Campeonato Mineiro;
A inscrição do Campeonato Mineiro, será feita pelo site da entidade, valor de R$ 120,00 (cento e vinte reais), salvo as categorias 50cc e MXF que são isentas e a MXJR que tem 50% de desconto;
– A segunda inscrição, ou mais, será acrescida de 50% do valor original, exemplo : Inscrição para 01 categoria vigente a data R$ 120,00, se optar ir em mais uma categoria pagará mais R$ 60,00 totalizando R$ 180,00, e assim por diante.
– Por se tratar de uma competição de nível nacional não haverá a licença
diária;
– Todas as classes, com exceção da Vintage, serão incluídas na
programação do fim de semana do evento;
– Ambas as inscrições se encerrarão, impreterivelmente, no dia 10/04, às 20:00h. Após a referida data o valor será de R$ 180,00 (cento e oitenta reais);

>INSCRIÇÕES VIA SITE MINEIRO DE MX CLIQUE AQUI !  Quaisquer Dúvidas : 31 98508 5296

* Para o desconto em 02 inscricões, digite no campo de cupom o texto *2inscricoes*;

* Para o desconto em 03 inscricões, digite no campo de cupom o texto *3inscricoes*;

CATEGORIAS :
50cc A e  50cc B: Motor 2T de até 50cc, monomarcha, automática, aro 10 na traseira e de até 12 na dianteira – Pilotos de 05 a 09 anos – 65cc : Motor 2T de 59cc até 65cc- Pilotos de 07 a 12 anos – MXJR : Motor 2T de 70cc até 105cc e 4T de 75cc até 150cc – Idade – Pilotos homens de 11 a 15 anos e mulheres até 17 anos – MX2JR: Motor 2T de 125cc até 150cc e 4T 250cc – Idade – 13 a 17 anos – Nacional A : Motocicleta de fabricação nacional com motor 4T com até 250cc – Pilotos homens com idade a partir de 13 anos e mulheres a partir de 15 anos – Nacional B : Motocicleta de fabricação nacional com motor 4T com até 250cc – Pilotos homens com idade a partir de 13 anos e mulheres a partir de 15 anos – MXF PRÓ : Motor 2T até 150cc e 4T até 250cc – Pilotos mulheres com idade a partir de 13 anos ´- MX NACIONAL :  Motos de fabricação nacional com motores de 180 2 tempos até 250 4 tempos – Pilotos mulheres com idade a partir de 13 anos – Intermediária :  Motos 2T de 125cc até 4T de 450 cc – Pilotos a partir de 17 anos – Vintage: Motor 2T de 125cc a 250cc e 4T de 250cc a 450cc (Fabricadas entre 2004 e 2013) – Pilotos a partir de 17 anos –MX5 : Motor 2T de 125cc a 500cc e 4T de 250cc a 450cc – Pilotos homens com idade a partir de 50 anos – MX4 : Motor 2T de 125cc a 500cc e 4T de 250cc a 450cc – Pilotos homens com idade a partir de 40 anos – MX3 : Motor 2T de 125cc a 250cc e 4T de 250cc a 450cc – Pilotos homens com idade a partir de 35 anos e mulheres a partir de 15 anos — MX2 : Motor 2T de 125cc a 150cc e 4T 250cc – Pilotos 14 a 23 anos – MX1 : Motor 2T de 125cc a 250cc e 4T de 250cc a 450cc – Pilotos 15 a 55 anos;
Os Modelos de formulários ( Termo de Responsabilidade e Cessão de Imagem ) e atestado Médico já estão disponíveis para baixar via site e após preenchidos e devidamente assinados entregar no dia do atendimento de secretaria de prova :

TERMO DE CESSÃO IMAGEM MENOR DE IDADE BAIXE AQUI !

TERMO CESSÃO DE IMAGEM MAIOR DE IDADE BAIXE AQUI !

MODELO DE ATESTADO MÉDICO BAIXE AQUI

TERMO DE RESPONSABILIDADE BAIXE AQUI !

REGULAMENTO MINEIRO MX 2019 CLIQUE AQUI !

PROGRAMAÇÃO:

SEXTA-FEIRA, 12/04/2019
13:00 às 19:00h – Secretaria / Vistoria: Todas as Classes
SÁBADO, 13/04/2019
07:00h às 07:30h – Vistoria técnica: Todas as Classes
TREINOS LIVRES
07:50h às 08:10h – MX2 / MX2JR (Brasileiro / Mineiro)
08:15h às 08:30h – MX4 / MX5 (Brasileiro / Mineiro)
08:35h às 08:55h – MX1 (Brasileiro / Mineiro)
09:00h às 09:20h – MXJR (Brasileiro / Mineiro)
09:25h às 09:40h – Nacional-Pró (Brasileiro / Mineiro)
09:45h às 10:00h – 50cc (Brasileiro / Mineiro)
10:05h às 10:25h – MX3 (Brasileiro / Mineiro)
10:30h às 10:45h – MXF (Brasileiro / Mineiro)
10:50h às 11:05h – 65cc (Brasileiro / Mineiro)
Manutenção de pista
TREINOS CRONOMETRADOS
11:50h às 12:13h – MX2 / MX2JR treino de largada (Brasileiro / Mineiro)
12:17h às 12:35h – MX4 / MX5 treino de largada (Brasileiro / Mineiro)
12:39h às 13:02h – MX1 treino de largada (Brasileiro / Mineiro)
13:06h às 13:26h – MXJR (Brasileiro / Mineiro)
13:30h às 13:48h – Nacional-Pró treino de largada (Brasileiro / Mineiro)
13:52h às 14:07h – 50cc (Brasileiro / Mineiro)
14:11h às 14:31h – MX3 (Brasileiro / Mineiro)
Manutenção de pista
PROVAS CLASSIFICATÓRIAS
15:10h – MX2 / MX2JR – 12 min. + 2 voltas (Brasileiro)
15:40h – MX1 – 12 min. + 2 voltas (Brasileiro)
PROVAS OFICIAIS
16:10h – MX4 / MX5 – 15 min. + 2 voltas (Brasileiro / Mineiro)
16:40h – Nacional-Pró – 15 min. + 2 voltas (Brasileiro / Mineiro)
17:05h Pódio classes: MX4 / MX5 e Nacional-Pró (Brasileiro / Mineiro)

TREINOS CRONOMETRADOS
17:05h às 17:20h – MXF (Brasileiro / Mineiro)
17:25h às 17:40h – 65cc (Brasileiro / Mineiro)

DOMINGO, 14/04/2019
WARM-UP
07:30h às 07:45h – Intermediária (T. Livre/Cronometrado-Mineiro)
07:50h às 08:05h – MX3 treino de largada (Brasileiro / Mineiro)
08:09h às 08:24h – MX2 / MX2JR (Brasileiro / Mineiro)
08:28h às 08:43h – MX1 (Brasileiro / Mineiro)
08:47h às 09:02h – 50cc treino de largada (Brasileiro / Mineiro)
09:06h às 09:21h – MXJR treino de largada (Brasileiro / Mineiro)
09:25h às 09:40h – MXF treino de largada (Brasileiro / Mineiro)
09:44h às 09:59h – 65cc treino de largada (Brasileiro / Mineiro)

PROVAS OFICIAIS
10:20h – MX3 – 20 min. + 2 voltas (Brasileiro / Mineiro)
10:50h – 50cc – 15 min. + 2 voltas (Brasileiro / Mineiro)
11:10h Pódio classe: 50cc / MX4 e MX5 (Brasileiro / Mineiro)
Manutenção de pista
12:00h – MX2 / MX2JR – 30 min. + 2 voltas (Brasileiro / Mineiro)
13:00h – MX1 – 30 min. + 2 voltas (Brasileiro / Mineiro)
13:50h – MXJR – 20 min. + 2 voltas (Brasileiro / Mineiro)
14:30h – MXF – 15 min. + 2 voltas (Brasileiro / Mineiro)
15:00h – 65cc – 15 min. + 2 voltas (Brasileiro / Mineiro)
15:25h – Pódio das classes: MX2JR / MXJR / MXF e 65cc (Brasileiro/Mineiro)
Manutenção de pista
15:45h – Elite MX, MX1 e MX2 – 30 min. + 2 voltas (Brasileiro)

16:30h – Pódio das classes: Elite MX, MX1 e MX2 (Brasileiro / Mineiro)
16:45h – Intermediária 15 min. + 2 voltas – (Prova oficial-Mineiro)
17:10h – Pódio da classe: Intermediaria (Mineiro)

Por Leo Tavares com a colaboração da FMEMG.

Uma das principais contratações da equipe Honda Racing para a temporada 2019, Bruno Crivilin começou com vitória na categoria E1 a disputa do Campeonato Brasileiro de Enduro FIM, que realizou neste final de semana (6 e 7) a segunda etapa em Nova Bréscia (RS). Essa foi a primeira participação do piloto capixaba na trilha pelo time vermelho, já que ele não correu na abertura, em Itapema (SC), devido à recuperação de uma lesão no joelho direito.

O sábado e domingo na região da serra gaúcha foram marcados por muita chuva e lama, o que dificultou ainda mais a prova composta por três voltas em cada dia em um circuito de 40 quilômetros, divididos em três especiais (trechos cronometrados) de Enduro Teste.

Além de vencer na classe E1, com a CRF 250RX, Crivilin levou o último dia na Enduro GP (categoria que reúne os mais rápidos na classificação). “Estou muito feliz com meu desempenho, mesmo em recuperação da recente cirurgia. A intenção era marcar bons pontos e andar com cuidado, pensando no campeonato. A prova foi bastante desgastante e a cada volta fui me adaptando mais. O apoio de toda a equipe Honda foi de grande importância e sem eles esse resultado não seria possível”, contou o atual campeão da categoria e também da Enduro GP.

O mineiro Gabriel Soares finalizou a categoria E2, com a CRF 450RX, em segundo lugar - mesma posição que ocupa na tabela do campeonato. “O fim de semana foi bem difícil, porque a etapa contou com três especiais só de Enduro Teste, que é um grande desafio para mim, que prefiro o Cross Teste. Mesmo assim, consegui andar bem na lama e estou satisfeito com o resultado para manter o impulso para as próximas provas”, destacou Soares, terceiro colocado da etapa na Enduro GP.

Nicolás Rodriguez, que representa a equipe na E3 com a CRF 450RX, também ressaltou as dificuldades da prova no Rio Grande do Sul. “Cometi um erro no primeiro dia e acabei batendo em uma árvore no segundo, o que prejudicou o resultado. Agora é focar nas próximas disputas, que serão em diferentes regiões, como Sudeste e Centro-Oeste”, disse o piloto carioca, quarto colocado no fim de semana na categoria e terceiro na corrida pelo título da E3.

O Campeonato Brasileiro de Enduro FIM continua nos dias 25 e 26 de maio, com a terceira etapa, em Campos do Jordão (SP).

A Equipe Honda Racing de Enduro FIM é patrocinada por ASW, Alpinestars, DID, Seguros Honda e Óleo Genuíno Honda.

Campeonato Brasileiro de Enduro FIM

Resultados - 2ª etapa - Nova Bréscia (RS)

Enduro GP
1º - Romain Dumontier (#93) - 47 pontos
2º - Bruno Crivilin (#1) - 45 pontos - Honda CRF 250RX
3º - Gabriel Soares (#7) - 42 pontos - Honda CRF 450RX
4º - Gustavo Pellin (#44) - 36 pontos
5º - Júlio César Eliziário (#2) - 29 pontos

E1
1º - Bruno Crivilin (#1) - 50 pontos - Honda CRF 250RX
2º - Júlio César Eliziário (#2) - 40 pontos
3º - Loandro Anton (#133) - 38 pontos
4º - Tiago Wernersbach (#41) - 36 pontos
5º - Rômulo Bottrel (#22) - 36 pontos

E2
1º - Romain Dumontier (#93) - 50 pontos
2º - Gabriel Soares (#7) - 44 pontos - Honda CRF 450RX
3º - Diego Baesso Colett (#25) - 40 pontos
4º - Felipe Legarrea (#29) - 18 pontos

E3
1º - Gustavo Pellin (#44) - 50 pontos
2º - Crispy Arriegada (#9) - 44 pontos
3º - Vinicius Calafati (#32) - 38 pontos
4º - Nicolás Rodriguez (#310) - 38 pontos - Honda CRF 450RX

Classificação do campeonato - Após duas etapas

Enduro GP
1º - Romain Dumontier (#93) - 87 pontos
2º - Gabriel Soares (#7) - 82 pontos - Honda CRF 450RX
3º - Gustavo Pellin (#44) - 81 pontos
4º - Júlio César Eliziário (#2) - 69 pontos
5º - Loandro Anton (#133) - 58 pontos
9º - Bruno Crivilin (#1) - 45 pontos - Honda CRF 250RX

E1
1º - Júlio César Eliziário (#2) - 87 pontos
2º - Rômulo Bottrel (#22) - 83 pontos
3º - Loandro Anton (#133) - 78 pontos
4º - Tiago Wernersbach (#41) - 70 pontos
5º - Gabriel Bellaver (#67) - 60 pontos
7º - Bruno Crivilin (#1) - 50 pontos - Honda CRF 250RX

E2
1º - Romain Dumontier (#93) - 97 pontos
2º - Gabriel Soares (#7) - 91 pontos - Honda CRF 450RX
3º - Diego Baesso Colett (#25) - 80 pontos
4º - Felipe Legarrea (#29) - 54 pontos
5º - Vítor Borges Garcia (#51) - 30 pontos

E3
1º - Gustavo Pellin (#44) - 100 pontos
2º - Crispy Arriegada (#9) - 82 pontos
3º - Nicolás Rodriguez (#310) - 80 pontos - Honda CRF 450RX
4º - Vinicius Calafati (#32) - 78 pontos
5º - Marcel Maison (#223) - 32 pontos

Por Leo Tavares direto da redação com a colaboração da Ângela Monteiro e foto de Idário Café.

Em pista castigada pela chuva durante os dois dias e pilotando uma KTM 500 EXC-F, o argentino Cristian “Crispy” Arriegada mostrou grande evolução em sua adaptação às provas no Brasil; nas 3ª e 4ª etapas do Brasileiro de Enduro, realizada nesse sábado (6) e domingo (7), em Nova Bréscia-RS. Crispy terminou o duro final de semana na 2ª colocação na categoria E3 e na 11ª na classificação geral, a Enduro GP.

Seu companheiro de equipe, o paulista Thales Vilardi, depois de um oitavo lugar no sábado, na Categoria E1, chegou em sexto lugar no domingo e foi o 7º na etapa, na Categoria E1, com uma KTM 250 EXC-F. Permanece na 7ª colocação no Campeonato.

A Equipe Orange BH KTM Racing utiliza pneus Kenda, equipamentos ASW e capacetes Airoh, que são os patrocinadores principais e a W-Tech, Durag, Circuit, Motul, TCX, MrPró, Exceed e Alex Design são fornecedores oficiais.

Por Leo Tavares direto da redação com a colaboração de Fávio Bergman e foto de Janjão Santiago.

O Campeonato Paranaense de Enduro Regularidade realiza suas terceira e quarta etapas neste domingo, dia 14 de abril, durante o 26º Enduro do Porco. A prova, que também será válida pela Copa Oeste, acontece em São José das Palmeiras, município de quatro mil habitantes, situado próximo à fronteira com o Paraguai.

São esperados mais de 100 pilotos, representando diferentes regiões do Sul do Brasil. Eles terão pela frente trilhas com muitas pedras e umidade, características do solo da região, exigindo perícia e ágil navegação. O roteiro passa por pastagens e campos, com médias de velocidade altas.

Para agradar a todos os participantes, foram montadas duas planilhas, uma novidade no evento. A primeira tem 132 quilômetros e é marcada por médias justas, atendendo aos pilotos mais experientes. Já a segunda tem 107 km e evita os trechos mais difíceis, assistindo os competidores das categorias iniciantes.

A programação inicia com a concentração no Centro de Eventos do município. A largada acontece às 8h30 e a chegada está prevista para às 14h15. As inscrições devem ser realizadas antecipadamente pela internet até sexta-feira, dia 12, no site www.copaospr.com.br. O investimento é de R$ 150.

Confira a classificação do Paranaense de Enduro de Regularidade:

Master

1 - Emerson Loth
2 - Eduardo Hiert
3 - Tiago Kudlavies

Senior

1 - Péricles Dutra
2 - Anderson Muller
3 - Eduardo Shiga

Over 40

1 - Alessandro Costa
2 - Claudio Hiert
3 - Adilson Santos

Junior

1 - Vitor Costa
2 - Altino Hey
3 - Carlos Ferreira

Over 45

1 - Gilso Moraes

Over 50

1 - Nereo Paludo
2 - Dagomar Slongo

Over 55

1 - Rosni Ferreira

Over 60

1 - Ademir Teixeira

Novatos

1 - Eduardo Froza
2 - Rodrigo Otto

Serviço: Campeonato Paranaense de Enduro Regularidade

Etapas: 3 e 4
Data: 14 de abril, às 8h30
Local: Centro de Eventos - São José das Palmeiras (PR)
Inscrições: apenas antecipadas, através do www.copaospr.com.br - R$ 150
Ingresso: Entrada franca

por Leo Tavares direto da redação com a colaboração e foto de Daniela Burgonovo.

Além de vencer três categorias e assumir a liderança do Campeonato Brasileiro de Enduro com a Equipe Yamaha O2BH Racing e o francês Romain Dumontier, a concessionária O2BH Yamaha viu mais pilotos brilharem Brasil afora, em outras modalidades e competições, representando a loja mineira.

Na Production Aberta do RN 1500, primeira etapa do Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country Túlio Malta foi o vencedor. Ramon Sacilotti foi outro grande destaque da prova. Ele terminou em 4º lugar na Super Production e 13º na classificação geral, com uma moto Yamaha YZ 450FX, fechando os quatro dias de competição no pódio.

Já no Brasileiro de Enduro, além de Dumontier na Enduro GP e E2 e Capila na EJ, Erasmo Klering venceu a E40 e Tiago Wernersbach foi o quarto colocado na E1. Os pilotos correm no programa bLU cRU da Yamaha. Tiago superou os companheiros oficiais Patrik Capila e Rômulo Bottrel e ficou com a 8ª colocação na classificação geral da etapa. Klering segue em segundo lugar no Campeonato a 12 pontos do líder.

Outra vitória do final de semana veio no Enduro de Regularidade, o Fabio Amaral ganhou a principal categoria do Enduro Portal da Canastra, válido para o Campeonato Mineiro de Enduro. Ele e Jomar Grecco, estreiam na abertura do Campeonato Brasileiro no próximo final de semana na Bahia.

A O2BH Yamaha é uma concessionária do Grupo Orange, que além da gestão da equipe Oficial Yamaha é conhecida como o Shopping das Duas Rodas, localizada em Belo Horizonte e que disponibiliza mais de 5 mil produtos para a prática do motociclismo on e off road, entre acessórios, equipamentos de proteção, motocicletas, consórcios, com vendas e entregas em todo o Brasil.

Por Leo Tavares com a colaboração de Flavio Bergman com fotos de Janjão Santiago e DFotos.

As transmissões das duas primeiras etapas do World Superbike na categoria Supersport 300 acontecerão na página do Facebook da Yamaha Brasil e começarão já neste fim de semana.

A Yamaha acaba de fechar um inédito acordo com Dorna, empresa que promove o World Superbike e o MotoGP, para a transmissão das duas primeiras etapas do Campeonato Mundial de SuperSport 300, ou WorldSSP300.

A primeira das transmissões, acontecerá no dia 7 de abril às 9:30 (horário de Brasília) no Facebook Yamaha motor www.facebook.com/yamahamotorbrasil.

A categoria que teve a Yamaha como a campeã em 2017, ano de estreia da competição, terá ainda mais atrativos para a temporada 2019, principalmente para os fãs brasileiros da motovelocidade.

Além de do maior número de participantes, com mais de 50 inscritos de 16 diferentes países e 5 continentes – aumentando ainda mais as disputas e também as emoções –, será a primeira vez que um piloto brasileiro competirá na categoria.

Ton Kawakami, que é piloto da Yamaha Brasil, tem apenas 18 anos e já é tricampeão na Yamalube R3 Cup e atual campeão Brasileiro de Supersport 600. Seu novo e maior desafio será representar seu país nesta competição de altíssimo nível pilotando uma Yamaha YZF-R3 da Equipe MS Racing, que tem apoio oficial da Yamaha e é uma das mais competitivas da categoria.

Quando: dia 7 de abril de 2019

Onde: Facebook Yamaha motor www.facebook.com/yamahamotorbrasil.

Mais informações em:

www.yamaha-motor.com.br,

www.facebook.com/yamahamotorbrasil ou Instagram/yamahabrasil

Por Leo Tavares direto da redação com a colaboração de Laner Azevedo da Yamaha do Brasil.

Os pilotos já estão fazendo o reconhecimento das especiais na região de Nova Brescia, no Rio Grande do Sul, onde a partir das 10h do próximo sábado (6), as motos entram nas trilhas para início da segunda de sete etapas duplas do Campeonato Brasileiro de Enduro. Romain Dumontier, Patrik Capila e Rômulo Bottrel buscam mais que vencer, mas a meta é a liderança geral e retomar a hegemonia que a Yamaha O2BH Racing está acostumada, nas categorias principais. 

O francês Dumontier, a bordo da sua Yamaha YZ 250X busca manter a liderança na categoria E2, mas também tem como meta bater Gustavo Pellin na categoria Enduro GP (Geral). Líder e Campeão 2018, Capila não quer deixar escapar a primeira posição na categoria EJ, com sua Yamaha 450FX e com uma Yamaha 250F, Bottrel, segundo colocado na E1 também chega ao sul em busca do lugar mais alto do pódio. 

A base do evento será na Praça da Matriz, no centro da cidade, onde o público terá acesso livre para ver de perto os pilotos, motocicletas e o Box da Yamaha O2BH.  Os pilotos completarão três voltas por dia em um percurso de 40 km, com três trechos cronometradas (especiais) em cada volta. 

Equipe e Concessionária O2BH também dão suporte aos pilotos Tiago Wernersbach (Yamaha YZ 250FX - cat. E1), Fernando Teixeira (Yamaha YZ 450FX – cat E40)  e Erasmo Klering (Yamaha 450250FX -  cat. Over 40), que usufruem dos benefícios bLU cRU como todos aqueles que utilizam motocicletas Yamaha. 

Segundo a organização da prova, a primeira especial terá 4,2 km e fica a apenas 100 metros da base, em um percurso bem completo, alternando trechos com pedras, plantação de eucaliptos, circuito de curvas e mata fechada. A segunda especial será a mais longa com 7,2 km, sendo 90% em plantação de eucaliptos, em trechos rápidos e com descidas com pedras. A terceira é mais um Enduro Teste, com 4 km, passa por mata fechada, por uma pista de veloterra e finaliza em uma plantação de eucaliptos.

A Yamaha O2BH Racing utiliza calças, camisas e luvas ASW; Pneus Kenda, Lubrificantes Motul, Capacetes Airoh, Óculos Dragon, Guidão Pro Taper, Botas Gaerne, Componentes BR Parts, Coroas e Pinhões Durag, Correntes DID, Protetores de Mão e plásticos Circuit, Suspensões W-Tech, Braces MR Pro, Escapamentos Foco e Gráficos Alex Design. Os pilotos da equipe transportam seus equipamentos pessoais nas Malas Ogio e utilizam Suprimentos Exceed para reposição de energia.

Campeonato Brasileiro de Enduro FIM 2019 – 2ª etapa
Enduro FIM de Nova Bréscia (RS)
Base do evento: Praça da Matriz

Programação
5 de abril (sexta-feira)
Das 16h30 às 20h – Secretaria de prova no saguão da Prefeitura Municipal
18h30 – Briefing da prova na base do evento/paddock

6 de abril (sábado)
Das 7h às 9h45 – Vistorias técnicas e condução das motos ao Parque Fechado
10h – Largada dos dois primeiros pilotos
16h – Previsão de chegada dos primeiros pilotos / Pré-finish
16h20 – Condução das motos ao Parque Fechado
20h – Divulgação dos resultados no Restaurante Bresciense (centro da cidade)

7 de abril (domingo)
8h – Largada dos dois primeiros pilotos
14h – Previsão de chegada dos primeiros pilotos
16h – Divulgação dos resultados e premiação

Por Leo Tavares com a colaboração de Flávio Bergman com foto de Janjão Santiago.