Indústria de Motocicletas mantém alta e produz mais de 84 mil unidades em Janeiro

 Na comparação com o mesmo período de 2018, houve aumento de 3,4%. A média diária de vendas foi de 4.123 unidades Em janeiro, as fabricantes de motocicletas instaladas no Polo Industrial de Manaus – PIM produziram 84.106 unidades, o que representa alta de 3,4% na comparação com o mesmo mês do ano passado (81.306 motocicletas). De acordo com os dados divulgados pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo, esse volume também é 24% superior na comparação com dezembro passado (67.812 unidades).

Ao avaliar os números alcançados neste início de ano, Marcos Fermanian, presidente da entidade, afirma que este desempenho reforça a projeção da entidade de crescimento de 4,2% na produção de motocicletas em 2019.

“Hoje, o cenário macroeconômico é bastante favorável: temos inflação sob controle, queda nas taxas de juros e nos índices de inadimplência. Esse tripé trouxe de volta às concessionárias o consumidor que deseja uma motocicleta zero quilômetro e com mais recursos tecnológicos e de segurança”, diz.

VENDAS NO ATACADO

O repasse de motocicletas para as concessionárias também manteve a curva ascendente dos últimos meses e registrou alta 13,5% neste início de ano. Em janeiro, as fabricantes enviaram 81.655 unidades para as lojas, ante 71.967 motocicletas registradas no mesmo mês de 2018. Em relação a dezembro, o aumento foi de 22% (66.915 unidades).

DESEMPENHO POR CATEGORIA

Entre as categorias de motocicletas mais comercializadas no primeiro mês do ano, a liderança ficou com a Street, com 54,1% de participação (44.146 unidades). Na sequência aparecerem a Trail, com 18,9% (15.451 unidades); Motoneta, com 15,5% (12.637); Scooter, com 5,3% (4.319) e Naked, com 2,5% (2.073).

Confira a seguir as características básicas das motocicletas de cada categoria:

Street – Motocicleta de baixa ou média cilindrada destinada ao uso urbano.

Trail – Motocicleta de baixa ou média cilindrada destinada ao uso misto, tanto em vias pavimentadas quanto em terreno não pavimentado.

Motoneta – motociclo underbone, pilotado com o condutor na posição sentado, destinado ao uso urbano, de baixa cilindrada e dotado de câmbio automático ou semiautomático.

Scooter - Motociclo pilotado com o condutor na posição sentado e dotado de câmbio automático ou semiautomático, concebido para privilegiar o conforto.

Naked – Motocicleta sem carenagem, com motor propositalmente exposto e de alto desempenho, concebida para a utilização em terrenos pavimentados. Semelhante a uma motocicleta versão “sport”, sem a carenagem.

Big Trail – Motocicleta de média ou alta cilindrada destinada ao uso misto em terrenos pavimentados e não pavimentados.

Off Road – Motocicleta de qualquer cilindrada destinada exclusivamente à utilização em pisos não pavimentados.

Custom – Motocicleta caracterizada por sua vocação para percursos de estrada, destacadamente os mais longos, chamadas de “estradeiras”, que não priorizam velocidade e, sim, conforto.

Sport - Motocicletas de cilindradas médias ou superiores com carenagem que privilegia a aerodinâmica e o alto desempenho.

Ciclomotor – Veículo de duas ou três rodas, provido de um motor de combustão interna, cuja cilindrada não exceda a 50 cm³.

Touring – Motocicletas usualmente de alta cilindrada concebidas para a utilização em turismo e viagens de grandes distâncias.

EMPLACAMENTOS

Segundo dados do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), em janeiro foram emplacadas 90.704 motocicletas, alta de 17,8% na comparação com o mesmo mês do ano passado (76.993 unidades). Em relação dezembro passado (84.063 unidades), o aumento foi de 7,9%.

Apesar de janeiro ser considerado um mês habitualmente de menor volume de vendas devido às férias de verão e ao recesso escolar, a média diária de vendas foi de 4.123 unidades, volume 1,9% menor do que ao alcançado em dezembro (4.203 motocicletas) e 17,8% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado (3.500 unidades).

SCOOTERS NO VAREJO

Os emplacamentos de scooters em janeiro somaram 6.655 unidades,  13,3% superior  ao volume alcançado no mesmo mês do ano passado (5.872 unidades). Na comparação com dezembro, o crescimento foi de 26,8% (5.250 unidades).

EXPORTAÇÕES

Dados da Abraciclo mostram também que as exportações somaram 4.570 unidades no primeiro mês do ano, correspondendo a uma queda de 44,5% na comparação com janeiro de 2018 (8.227 motocicletas). O presidente da Abraciclo explica que o Setor de Duas Rodas também sofre as consequências da crise da Argentina, que vinha sendo o principal destino das motocicletas produzidas no PIM. Contudo, na comparação com dezembro passado (3.011 unidades), houve crescimento de 51,8%.

De acordo com dados do portal de estatísticas de comércio exterior Comex Stat analisados pela Abraciclo, os Estados Unidos, com 53,9% de participação (1.224 unidades), transformaram-se no principal destino das motocicletas brasileiras em janeiro. Em seguida ficou a Austrália, com 18,1% do volume exportado (412 unidades), e em terceira posição a Argentina, com 15,3% (348 unidades).

Colaboração e foto: Abraciclo/Arquivo CF