No último final de semana, dias 26-27 de agosto, a cidade de Socorro-SP recebeu o Hard in Help Hard Enduro, evento homologado pela CBM(Confederação Brasileira de Motociclismo) e válido pela terceira etapa do Campeonato Brasileiro BMS de Hard Enduro.

A terceira etapa contou com um número recorde de 52 pilotos inscritos, deixando claro que a modalidade está ganhando força e novos adeptos.

Os organizadores Rodrigo Zuccon e Benedito Coser não pouparam esforços e entregaram um evento de altíssima qualidade. O Hard in Help surpreendeu todos os pilotos, tanto no aspecto de estrutura, organização e circuito.

No total foram dois dias de competição. No sábado os pilotos percorreram um circuito de 8,5 km de trecho cronometrado, além disso o primeiro dia decidia a ordem de largada para o domingo. Já no domingo, os pilotos enfrentaram 25 km de trilhas extremamente difíceis, que desafiaram até os pilotos mais experientes.

Como padrão do Campeonato, a competição foi dividida em cinco categorias: GOLD, TRIAL, SILVER, BRONZE e Nacional. 
Além do nível dos pilotos inscritos, as categorias apresentam circuitos com diferentes níveis de dificuldade.

O principal destaque da prova foi para a equipe Sherco Brasil Team, que dominou os pódios das principais categorias, mostrando a excelência das motos francesas.

Na categoria principal, o destaque foi para o piloto Rigor Rico que venceu os dois dias de prova com uma boa vantagem em relação ao piloto Ripi Galileu, seguido do piloto Victor Camargo. Com essa vitória, Rigor Rico amplia a sua vantagem no campeonato.

Já na categoria Trial, o piloto Thiago “Vermelho”, estreante no campeonato, venceu os dois dias de prova, seguido por Leonardo Martins e Walter Marcelo.

Como esperado, dentro da categoria Silver, o piloto Ronald Santi venceu com tranquilidade os dois dias de competição, seguido pelos pilotos Edgar Barbosa e Rafael Bonine, que disputaram a prova até os últimos metros da competição.

No cenário da Bronze, houve uma disputa muito acirrada entre os pilotos Mauricio Penino e Lucas Rocha. Rocha venceu o primeiro dia, mas no segundo dia o excelente preparo físico de Penino, lhe garantiu uma boa vantagem que lhe deu o lugar mais alto do podium. O terceiro lugar do podiam ficou com o veterano Fabiano Lupi, que vem evoluindo muito desde a primeira etapa.

O piloto Bosquinho foi o campeão da categoria Nacional, seguido por Paulo Rogério e William Martins.

A próxima etapa do Campeonato será o Barãomaniacs, organizado pela 3R motos na cidade de Barão de Cocais no dia 1-2/10.

O Campeonato Brasileiro BMS de Hard Enduro é um oferecimento de:

BMS RACING - Patrocinador Master
NATAL MOTO TOUR
HUSQVARNA BRASIL
MOTO TRIAL BRASIL 
3R MOTOS E BIKES
CALANGO PUBLICIDADE
MAXTEC SEGURANÇA 
JARVA RACING
PUTOLINE 
HARDENDURO.COM.BR

Apoio: PREFEITURA MUNICIPAL DE SOCORRO, COMTUR, ECOBIER, ROTA K e GLOBAL CYCLES

Colaboração e foto: Calango Publicidade

A Seleção Brasileira finalizou o segundo dia de competição na França, pelo Internacional Six Days de Enduro – ISDE. Assim como no primeiro dia, o time se mantém entre os dez melhores do mundo.

O segundo dia de competição teve o mesmo percurso e as mesmas especiais do primeiro dia de prova. Mas se isso poderia ser uma vantagem, pelo fato dos pilotos já conhecerem o trajeto, se tornou em uma enorme desvantagem. O terreno foi muito “castigado” pela passagem de cerca de oitocentas motos, e além da enorme quantidade de poeira, surgiram muitas raízes e pedras por baixo do pó, deixando o percurso bastante traiçoeiro.

Bruno Crivilin sofreu o maior revés do dia. Tentando apertar o ritmo, sofreu duas quedas e voltou a sentir dores na costela, que havia lesionado no Romaniacs. Terminou o percurso com muita dor, mas ainda assim segue na competição, tentando manter um bom ritmo.

“Finalizar o dia hoje foi bastante difícil, tomei duas quedas muito fortes. Eu já vinha sentindo muitas dores na costela, ontem quase nem consigo trocar o pneu por causa da dor, mas hoje ficou bem pior. Vamos assim mesmo, um dia de cada vez. Acredito que a lesão na costela voltou, acho que quebrou de novo. Eu sabia que isso poderia acontecer, então agora a briga é contra a dor, vamos lutar pra finalizar bem esses seis dias. Vou tentar fazer o possível para nosso time conquistar um bom resultado.”, explicou Crivilin.

Já o mineiro Rômulo Bottrel foi o mais rápido do time brasileiro. Se ontem teve problemas com a suspensão traseira, hoje pode andar mais forte, mas com consistência pra finalizar bem todos os dias.

“O dia hoje foi bem longo e exigente, com muito calor e bastante poeira, bastante desgastante. O terreno estava bastante traiçoeiro, com muita cava, muita erosão, muitas raizes, tocos e pedras por debaixo do pó, então era preciso muita atenção para tentar andar forte. Tentei ser o mais consistente possível e procurei não errar, porque qualquer erro pode colocar tudo a perder e estamos só no segundo dia ainda, temos mais quatro pela frente. Nos mantemos entre os dez melhores e isso é o mais importante. Amanhã tem mais e o principal objetivo é chegarmos inteiros e com uma boa colocação ao final dos seis dias.”, disse Bottrel.

Colaboração e foto: Orange BH/Janjão Santiago

A Seleção Brasileira começou a 92ª edição do Internacional Six Days de Enduro – ISDE – com o pé direito. O time brasileiro fechou o dia no Top 10, com Bruno Crivilin e Rômulo Bottrel conquistando os melhores resultados para a equipe.
 
O primeiro dia do 92º FIM International Six Days Enduro (ISDE) em Brive, na França, trouxe um excelente resultado para a Seleção Brasileira, que é formada pelos pilotos Bruno Crivilin e Rômulo Bottrel, da Equipe Orange BH KTM Racing, e Gustavo Pellin e Diego Collet, da Equipe Sacramento. O time brasileiro conquistou a 10ª colocação na classificação por equipes. Nas categorias Individuais, Crivilin foi o 21º na Categoria E1 e Bottrel o 16° na Categoria E3. Na Classificação Geral, Crivilin foi o 51º e Bottrel o 64º. Cerca de 800 pilotos de trinta e um países estão acelerando nesta edição do Six Days.

O primeiro dia contou com duzentos e cinquenta e nove quilômetros de prova e cinco Testes Especiais Cronometrados. Bruno Crivilin - sem andar de moto desde seu acidente na Rômenia, quando venceu o Romaniacs-, sentiu o tempo parado e teve que conviver com as dores neste primeiro dia.

“A prova estava bem legal, com especiais muito rápidas, mas era muito fácil cometer erros hoje. Acabei cometendo alguns, mas acho que não comprometeram tanto o resultado final. Temos que pensar a longo prazo, este foi apenas o primeiro dos seis dias. Senti bastante pelo tempo parado e a costela quebrada dói bastante. Mas com o decorrer da prova vamos nos encaixando melhor na moto e os resultados acabam aparecendo. Amanhã (29) o percurso é o mesmo de hoje, então dá pra tentar andar um pouco mais forte”, relatou Crivilin.

Já Rômulo Bottrel, apesar do bom resultado, teve seu dia comprometido por problemas mecânicos. A suspensão traseira apresentou problemas e ele teve que completar o percurso até o final, para então corrigir o problema. No Six Days, não basta só acelerar, o piloto tem que ser também um excelente mecânico, pois só ele pode dar manutenção na moto. Depois da prova os pilotos tem cerca de 13 minutos para arrumar a moto e deixá-la preparada para o próximo dia. Parece pouco tempo, mas Bottrel trocou o pneu traseiro, o filtro de ar, trocou o amortecedor traseiro e abasteceu a moto. E ainda sobrou tempo!

“Estava confiante, andando muito bem. Na primeira especial fiz o oitavo tempo, mesmo errando um pouco. Tive um problema na suspensão traseira que comprometeu bastante, mas no fim do dia consegui trocar a suspensão, então largo tranquilo amanhã. Também troque o pneu traseiro e a moto está pronta pra gente tentar um melhor desempenho amanhã e ajudar o Brasil a conquistar um bom resultado. Acho que o fato de andar no mesmo percurso que andamos hoje ajuda também, a gente pode forçar um pouco mais.”, resumiu Bottrel.

Nesta terça-feira os pilotos enfrentam novamente o mesmo percurso do primeiro dia, com duzentos e cinquenta e nove quilômetros de prova.

Colaboração e foto: Orange BH/Janjão Santiago

O Enduro da Independência chega a sua 35ª edição ininterrupta, homenageando quem vai fazer 300 anos. O roteiro tem início em Aparecida, estado de São Paulo, nas margens do Rio Paraíba do Sul, onde em outubro de 1.717, três pescadores encontraram a imagem de Nossa Senhora Aparecida, em uma história de fé que chega ao jubileu do tri-centenário.

A prova termina em Lavras, com pernoites em Itajubá e Três Corações, já no estado de Minas Gerais, atravessando a imponente e desafiadora Serra da Mantiqueira.

Um percurso que também motivou os bandeirantes, ainda na época das Capitanias Hereditárias, a superar seus próprios limites em busca do ouro, desbravando caminhos e fundando cidades. Os bandeirantes agora são outros, a bordo de motocicletas, mas também, com um objetivo.

O prêmio maior de completar o enduro e receber o seu “ouro”, em forma de medalhas, troféus e lembranças que não se apagam. Para tanto, a fé também deve estar presente, independentemente da crença, dogmas e devoção de cada participante.

Uma confiança ecumênica, universal, que hoje também reúne milhares de peregrinos, em um roteiro por trilhas, ligando o Estado de São Paulo, de Minas Gerais e de toda a região em um “caminho de fé” através da Serra da Mantiqueira para reverenciar a padroeira do Brasil.

O Enduro da Independência, em sua 35º edição, vai fazer o caminho inverso, mantendo o mesmo eixo, que também norteou o surgimento de trechos da Estrada Real, com início no santuário, em direção ao ponto de partida, como faziam também os bandeirantes, rumo ao desconhecido.

Serão cerca de 700 quilômetros de percurso, em quatro dias de competição, com a participação de pilotos de 20 estados do Brasil.

Uma prova no estilo “em linha”, para também resgatar a divertida caravana itinerante dos apoios, mecânicos e seguidores pelas belas paisagens do interior do estado de São Paulo e do sul de Minas Gerais, através do maciço da Mantiqueira.

Um charmoso enduro paralelo, pelas estradas da região, movimentando os pontos de apoio e neutralizados, além das cidades do roteiro e de pernoites, em uma espécie de grande família.

Confira abaixo outros detalhes:

A PROVA:

Data da Competição: 06 à 09 de setembro de 2017

Data da Entrega de Material Promocional:

05/09/2017 – Local: Santuário de Nossa Senhora Aparecida/SP.

Pernoites:

06/09 – Largada em Aparecida/SP, chegada em Itajubá/MG.

07/09 – Largada em Itajubá/MG, chegada em Três Corações/MG.

08/09 – Largada em Três Corações/MG, chegada em Lavras/MG.

09/09 – Largada em Lavras/MG, chegada em Lavras/MG.

PROGRAMAÇÃO DOS SHOWS DA EQUIPE FORÇA & AÇÃO:

05/09 APARECIDA/SP (Praça Kennedy).

06/09 ITAJUBÁ/MG (Kartódromo).

07/09 TRÊS CORAÇÕES/MG (Parque Dondinho).

08 e 09/09 LAVRAS/MG (Lavras Shopping).

A entrada é franca e acontecerá sempre nos locais de concentração da chegada do Enduro da Independência a partir das 19:00h.

Fiquem ligados em nossos canais!

www.endurodaindependencia.comwww.facebook.com/eiendurodaindependencia/

Texto: Téo Mascarenhas - Foto: Leo Tavares

O mineiro Rigor Rico defende a liderança entre as motocicletas da categoria Gold no Campeonato Brasileiro de Hard Enduro. A terceira etapa está marcada para este fim de semana (26 e 27) em Socorro-SP. O Team Rinaldi também acelera com os pilotos mineiros Ripi Galileu e Ronald Santi, em terceiro lugar nas categorias Gold e Silver, respectivamente.

Novidade no calendário nacional, o Brasileiro de Hard Enduro promete testar pilotos e motocicletas em obstáculos desafiadores. “As expectativas são muito boas, estou gostando bastante de praticar a modalidade. Venho de uma boa sequência de treinos e sinto que estou preparado”, comentou Rico. “Vou utilizar os pneus Rinaldi HE40 e SR Hard Enduro, que traz um composto macio e foi feito especialmente para o esporte”, concluiu Rico.

A prova terá como palco as trilhas do Vale do Oratório, localizadas em região montanhosa. No primeiro dia de disputas, a largada será em estilo Le Mans e o percurso terá 8,5 quilômetros de trilhas, subidas e trechos de mata no alto da serra. A classificação valerá como ordem de largada para o segundo dia, cujo roteiro traz 25km de trilhas que exigirão ainda mais resistência física e muita técnica. A chegada em uma área de extração de cascalho abandonada promete encerrar em as disputas em grande estilo. 

Colaboração e foto: Mundo Press/Café Fotos

Os gaúchos Gustavo Pellin e Diego Colett já estão na França para a disputa do International Six Days Enduro (ISDE). Os pilotos da Sacramento Racing aproveitaram para caminhar pelo percurso e conhecer melhor os desafios que os aguardam em Brive-la-Gaillarde. Com a presença de 700 competidores de diversas nacionalidades, o ISDE é considerado a Copa do Mundo da modalidade e será realizado entre os dias 28 de agosto e 2 de setembro.

A Seleção Brasileira está de volta ao evento após 14 anos de ausência e ainda conta com os pilotos Bruno Crivilin, do Espírito Santo, e Rômulo Bottrel, de Minas Gerais. O quarteto acelera as motocicletas KTM na prova, que é destaque do calendário mundial off-road desde 1913. A primeira impressão em solo francês foi bastante positiva.

“Está tudo muito bem organizado, tudo indica que a prova vai ser perfeita”, disse Pellin. “O paddock é enorme e cada país tem o seu lugar indicado. A estrutura é gigantesca, com a presença de todas as grandes Seleções e fábricas do motociclismo. Há uma enorme quantidade de motor homes estacionados, o público europeu tem essa cultura e vai comparecer em peso”, relatou o piloto, atual bicampeão brasileiro de Enduro FIM (classe E3).

Serão seis dias de prova e muitos desafios, como mostra Colett. “Só de caminhar pelas especiais (trechos cronometrados) a gente já percebe que vai ser divertido de acelerar. O chão é diferente, mas não escorrega, e apenas com a passagem de uma moto já formou canaletas. Imaginem como vai ser no dia da prova. A gente também viu que vão aparecer raízes no percurso e haverá pontos de altas velocidades, trechos acidentados e poucas pedras”, contou o campeão nacional de Enduro FIM em 2012 (E2).

Pellin trouxe ainda mais detalhes. “Há especiais com bastante single track no meio do mato, além de locais mais abertos, em gramados. A gente caminhou pelo percurso que irá receber as provas dos dois primeiros dias e, em seguida, cumpriu a pé o roteiro do quarto e do quinto dias de prova. O Crivilin e o Bottrel estão para chegar na França e vamos reconhecer as outras especiais com eles”, explicou.

De acordo com o piloto, o clima dos bastidores está tranquilo. “Acho que a ansiedade vai pegar mais perto da largada, quando estivermos preparando as motos e cumprindo as vistorias técnicas.” Colett concordou com o companheiro de equipe. “Chegamos com certa antecedência, justamente para ter tempo de conhecer o máximo possível sobre o desafio. Na hora em que todos estivermos concentrados para a largada, com certeza o coração vai bater mais forte”, concluiu.

A equipe Sacramento Racing é patrocinada por Alpinestars, Bell, Edgers Racing, Shopping SerrAzul, Dafra Motos, Motul, Tebaldi Gráficos e Honey Stinger.

Colaboração e foto: Mundo Press/Arquvio Pessoal

Desde que largaram de Goiânia (GO) no último domingo, os pilotos da Bianchini Rally superaram dias extremamente desgastantes e já percorreram quase 1.800 quilômetros pelo estado de Goiás até o Mato Grosso, quando chegaram na quarta–feira a Barra do Garças. Após quatro etapas do Rally dos Sertões, os cinco pilotos da equipe estão entre os seis primeiros das respectivas categorias, no acumulado: na Super Production, Yuri Aizemberg #31 está em 5º e André Guerra #38 em 6º; na Over 45, Marcos Colvero #20 em 5º e Luis Rodrigues #46 é o 6º, já Adhemar Pereira, o “Índio” #28, ocupa a 6ª colocação da Production Aberta.

No quarto dia de disputa, os cinco pilotos da equipe completaram o percurso de 471 quilômetros, dos quais 273 de trechos cronometrados (Especiais), sem avarias. Na Over 45 o gaúcho Colvero (KTM 500 Six Days) fechou em 3º e foi o 17ª na geral, enquanto o estreante Rodrigues terminou em 5º e em 26 na geral. “Tiveram dias bem técnicos e duros, como os dois primeiros, mas o rali foi seguindo e nesta quarta etapa obtive minha melhor colocação até agora. A meta é completar todos os dias, sem deixar de ser competitivo e chegar a Bonito”, diz o piloto de Porto Alegre (RS).

O cearense Índio (KTM Réplica 450), mesmo um pouco dolorido da queda da 2º etapa, quando finalizada a segunda parte da etapa Maratona (as motos não podem contar com apoio mecânico externo) largou bem e terminou em 6º na Production Aberta. “A equipe trabalhou duro para colocar moto pronta para largada, mas sem ajuda do parceiro Zé Hélio (piloto) que me doou uma peça fundamental, não seria possível. Então se não quebrei nada, não há dor que me segure em uma etapa do Sertões”, explica o piloto que completa a sua 7ª participação no Rally dos Sertões.

Na Super Production, Aizemberg chegou em 5º e na 18º posição na geral e Guerra, em 8º e na 37ª na geral. “Tiveram dias bem técnicos e travados e outros com longas retas, tive um problema com a moto mas já foi solucionado e no geral estou me divertindo muito. A quinta etapa vai ser bruta, é o dia que separar os homens dos meninos e pretendo ir mais tranquilo”, diz o piloto que retornou ao grid após nove anos.

O piloto Fabrício Bianchini que tem 14 participações no currículo (11 nas motos e 3 nos carros), nesta edição está como chefe de equipe. “No geral todos estão tendo um bom desempenho dentro da expectativa que almejam. Cada um tem uma história, um motivo para estar aqui, uma superação pessoal, mas o importante é que todos estão fazendo o que mais gostam”, explica Bianchini. Segundo ele, apenas o que a equipe lamenta, ainda, foi o abandono do uruguaio Javier Fernandez, que teve um acidente com seu quadriciclo e foi obrigado a abandonar a prova devido aos danos do equipamento, mas o piloto está bem e já retornou a Montevidéu.

A 25ª edição termina no sábado, 26, em Bonito, Mato Gross do Sul. Participam da prova 280 competidores de 161 veículos nas categorias motos, quadris, UTVs e carros. O percurso neste ano está concentrado no Centro-Oeste (GO, MT e MS) com 3.300 quilômetros, dos quais 1999 de trechos cronometrados (Especiais). Acompanhem os resultados no www.sertoes.com

A Bianchini Rally conta com o apoio da Bianchini S/A, O Mundo de Maria, Melnick Even, KTNY Racing, Madeira Energy, Bull Sertões Crew, Vedacit e Arames Farpados.

Programação 25º Rally dos Sertões  - 20 a 26/8

Domingo (20/08) - 1ª Etapa
Goiânia (GO) a Goianésia (GO)
Deslocamento Inicial – 221,87 km
Trecho cronometrado – 306,82 km
Deslocamento Final – 151,79 km
Total do dia: 680,48 km

(21/08) - 2ª Etapa (Maratona)
Goianésia (GO) a Santa Terezinha de Goiás (GO)
Deslocamento Inicial – 78 km
Trecho cronometrado – 248,16 km
Deslocamento final – 0 km
Total do dia: 326 km

(22/08) - 3ª Etapa
Santa Terezinha de Goiás (GO)  a Aruanã (GO)
Deslocamento Inicial – 0 km
Trecho cronometrado – 297,12km
Deslocamento Final – 9 km
Total do dia: 306 km

(23/08) - 4ª Etapa
Aruanã (GO) a Barra do Garças (MT)
Deslocamento Inicial – 102,4 km
Trecho Cronometrado – 273,20 km
Deslocamento Final – 95,68 km
Total do dia: 471,34 km

(24/08)- 5ª Etapa
Barra do Garças (MT) a Coxim (MS)
Deslocamento Inicial – 13,85 km
Trecho Cronometrado – 438,86 km
Deslocamento Final – 213,30 km
Total do dia: 666,01 km

Sexta-feira (25/08) - 6ª Etapa
Coxim (MS) a Aquidauana (MS)
Deslocamento Inicial – 59,82 km
Trecho Cronometrado –  194,91 km
Deslocamento Final – 174,72 km
Total do dia: 429,45 km

Sábado (26/08) - 7ª Etapa
Aquidauana (MS) a Bonito (MS)
Deslocamento Inicial – 128,62 km
Trecho Cronometrado – 240,45 km
Deslocamento Final – 51,71 km
Total do dia: 420,78 km

Colaboração e foto: MSuzuki Comunicação/Vinícius Branca/Fotop

Ricardo Martins abriu o Rally dos Sertões 2017 na quarta colocação das motocicletas neste domingo (20), de acordo com os resultados extra-oficiais. O piloto catarinense do Yamaha Rinaldi Rally Team superou dificuldades e completou 680 quilômetros de percurso entre Goiânia e Goianésia, em Goiás, incluindo 151 km de trechos cronometrados (especiais).

Apontada pelos organizadores como uma das mais difíceis da 25ª edição, a etapa de abertura apresentou vários tipos de terreno. Teve muita pedra, trial, travessias de oito rios e pontos de altas e médias velocidades. ‘Conforme o esperado, foi um dia longo e duro”, contou Martins, que utiliza os pneus Rinaldi HE42, desenvolvido especialmente para os praticantes da modalidade.

“Larguei em terceiro lugar e consegui ultrapassar o Zé Hélio. Estava em um bom ritmo, brigando pela liderança com o Gregório Caselani, quando tive um problema no suporte do road book. Por conta das pedras, a peça não resistiu e quebrou. Tive que cuidar dos equipamentos de navegação por mais de 180km, o que tomou bastante tempo, já que tinha que parar toda hora para amarrar”, relatou.

“Fiz o melhor que pude para fechar o dia entre os ponteiros e tem muito rally ainda pela frente. Vamos à luta”, acrescentou Martins. Nesta segunda-feira (21), o maior rally do país promete mais emoções com a etapa no formato Maratona, no qual apenas os competidores podem realizar manutenção nas motocicletas, sem contar com ajuda da equipe de apoio no final do dia.

A segunda etapa terá mata-burros, depressões, lombadas em zonas rurais, estradas sinuosas e bastante exigência na navegação. De Goianésia, os pilotos partem para Santa Terezinha de Goiás (GO) com 326 km de trajeto (248 de especiais).

“A estratégia para a Maratona é conseguir um bom ritmo e fazer uma prova limpa, para chegar 100% ao final do dia. Espero já ter tido na etapa de abertura a minha cota de problemas no Rally do Sertões”, finalizou o catarinense, com bom humor.

A chegada do Rally dos Sertões está marcada para o próximo dia 26 em Bonito (MS), sendo que o percurso total da prova é de 3300 quilômetros. As especiais somam 1999 km. O evento ainda reúne carros, quadriciclos e UTVs.

Resultados Motos – 1ª etapa (extra-oficiais)
1° - Gregório Caselani - 4:36:15.81
2° - Júlio Zavatti (Bissinho) - 4:54:28.52
3° - Zé Hélio Rodrigues - 4:56:00.61
4° - Ricardo Martins - 4:56:09.53 - Yamaha Rinaldi Rally Team
5° - Marco Pereira - 4:58:09.41

Programação* – 25º Rally dos Sertões

2ª Etapa – 21/8 (Segunda-feira)
Goianésia (GO) – Santa Terezinha de Goiás (GO) – ETAPA MARATONA
DI (Deslocamento inicial) – 78 km
TE (Trecho especial cronometrado) – 248 km
DF (Deslocamento final) – 0 km
Total do dia: 326 km

3ª Etapa – 22/8 (Terça-feira)
Santa Terezinha de Goiás (GO) – Aruanã (GO)
DI – 0 km
TE – 297,06km
DF – 9 km
Total do dia: 306,06 km

4ª Etapa – 23/8 (Quarta-feira)
Aruanã (GO) – Barra do Garças (MT)
DI – 102,4 km
TE – 273,20 km
DF – 95,68 km
Total do dia: 471,28 km

5ª Etapa – 24/8 (Quinta-feira)
Barra do Garças (MT) – Coxim (MS)
DI – 13,85 km
TE – 438,86 km
DF – 213,30 km
Total do dia: 666,01 km

6ª Etapa – 25/8 (Sexta-feira)
Coxim (MS) – Aquidauana (MS)
DI – 59,82 km
TE – 194,91 km
DF – 174,72 km
Total do dia: 429,45 km

7ª Etapa – 26/8 (sábado)
Aquidauana (MS) – Bonito (MS)
DI – 128,62 km
TE – 240,45 km
DF – 51,71 km
Total do dia: 420,78 km

Total da prova: 3300,06 km
Total de trechos cronometrados (especiais): 1999,52 km

* A programação é fornecida pela organização do evento e está sujeita a alterações. 

Colaboração e foto: Mundo Press/Marcelo Maragni/Fotop

O Hotel Rainha do Brasil está com uma condição diferenciada para os participantes do Enduro da Independência 2017. Localização privilegiada, qualidade em atendimento e excelência em hospedagem. O Hotel Rainha do Brasil oferece tudo para uma estadia inesquecível.

São 330 apartamentos, divididos nas categorias individual, duplo e triplo com opções de conjugados e acomodações adaptadas. Todos eles equipados com ar-condicionado, Wi-Fi, frigobar, TV a cabo, cofre e serviço Room Service com cardápio variado. Além de uma ampla área verde para caminhadas, sala de ginástica.

Confira os valores diferenciado para os participantes da Prova:
Duplo com café 290,00
Com café e jantar 366,00
Triplo com café 377,00
Com café e jantar 491,00

(Ligação direta ao Santuário e vários benefícios para os visitantes como isenção de estacionamento).

Site: http://www.a12.com
Telefone: (12)3104.1010

Colaboração: TCMG

A organização do Enduro da Independência em parceria com a ASW Racing lançam a jaqueta comemorativa dos 35 anos da prova em 2017. A edição da jaqueta é uma edição limitada e numerada no valor de R$320.00.

A prova este ano passará pelas trilhas da Fé entre os dias 06 a 09 de setembro com concentração e largada da cidade de Aparecida/SP, passando por Itajubá/MG, Três Corações/MG e finalizando com muita festa em Lavras/MG.

Colaboração e foto: TCMG.