Sábado de sol em Macacos/MG, tanque cheio e muita trilha pela frente. Assim foi o meu primeiro contato com as motos da Fabricante Europeia (Portugal) AJP Motos. A convite da representante da marca aqui no Brasil, fui andar com os seus modelos PR4 (240cc refrigeração a ar) e PR5 (250cc refrigeração liquida) pelas trilhas da grande BH.

Um dos primeiros pontos nas motos que me chamou atenção foram os componentes a bordo da moto como suspensão invertida na dianteira, suspensão traseira a gás, freio a disco traseiro, painel digital, partida elétrica, ponteira Bell Parts na PR4 e injeção eletrônica na PR5.

Sem dúvida, um conjunto de acessórios que chamam bem a atenção ao primeiro contato. Só que será que funciona bem na trilha? O jeito era colocar as motos para rodar para sentir a ciclística e a força da moto em funcionamento. Bora lá então conhecer as motos.

A primeira trilha que entrei foi a Desaparecidas/Perdidas com a PR4 (240cc refrigeração a ar). De cara já dá para sentir a força do motor que é bem arisco pelo tipo de moto. Bem curtinha e com um bom torque, a motor transmite muita segurança na hora de acelerar e encarar os obstáculos. A suspensão dianteira invertida de 40mm Marzocchi é muito eficiente e a moto fica bem longe do solo em relação ao motor.

Gostei muito da moto, ela é pequena e muito ágil em trilhas fechadas. Tem características mais voltada para os pilotos que buscam aquela trilha tipo hard com a vantagem de ser refrigerada a ar, evitando assim que a moto ferve na hora do sufoco. E por um pouco mais curta entre eixo, deixa a moto bem na mão para realizar manobras em trechos pesados.

Alguns bons quilômetros depois divertindo com a PR4, era hora de acelerar com a PR5(250cc refrigeração liquida) pelas trilhas da região. A primeira diferença da PR5 em ralação a PR4 e a ciclística. Primeiro a moto é maior entre eixos, o motor de 250cc refrigeração liquida tem muita força e torque.

Por ser um pouco mais pesada e maior que sua irmã, a PR5 vem equipada com a suspensão invertida dianteira Sachs 48mm absorvendo bem as imperfeições das pedras e obstáculos das trilhas que passamos. Outro ponto que me chamou atenção e o sistema de injeção eletrônica da PR5 que é bem eficiente na hora de dar aquela acelerada para passar pelos obstáculos.

Senti que a PR5 é uma moto que onde me daria muito bem no Enduro FIM, no Enduro de Regularidade, Cross Country devido a força do motor (acabamento interno em nikasil) e pela sua ciclística. E olha que já estava esquecendo, as duas motos tem o tanque central que aumenta o centro de gravidade.

E depois de quilômetros de aventura era hora de voltar até o Bar do Marcinho para tomar aquela limonada gelada para repor as força e comer um típico prato da culinária mineira e lembrar dos bons momentos com as motos pelas trilhas de Macacos/MG.

CONCLUSÕES:

Em resumo posso afirmar que as motos da AJP tem o seu espaço no mercado nacional, atingido justamente o piloto que está buscando um produto diferenciado em relação as motos de entradas e não deixa a desejar em nada em relação as motos gringas já no mercado. Outro diferencial a quantidade de componentes de alta performance em relação ao preço. Bem abaixo das motos importadas e pouca coisa acima das motos de entradas sem a necessidade de ter que ficar equipando a moto e gastando horrores em peças e acessórios. A tá, não posso esquecer do seu DNA Europeu que faz grande diferença em relação a outras motos importadas chinesas.

Sem dúvida seria uma moto que gostaria de ter para encarar as trilhas!

Para conhecer melhor a AJP, acesse o link da marca aqui no Brasil e conheça mais!

Por Leo “Corrosivo” direto das trilhas de Macacos/MG de AJP.

 

CARACTERISCAS E VALORES:

AJP PR4

MOTOR: 1 cilindro, 4 tempos, 2 válvulas

Refrigeração: Ar + óleo

DIÂMETRO x CURSO: 69 X 62.5mm

CILINDRADA: 233 cm3

POTÊNCIA: 20 CV

Partida: Elétrica

SUSPENSÃO DIANTEIRA: Marzocchi 40mm –multi ajustável (

SUSPENSÃO TRASEIRA: Sistema Progressivo ZF Sachs – multi ajustável

Freio DIANTEIRO: Disco ∅ 260mm

Freio TRASEIRO: Disco ∅ 220mm

ALTURA ASSENTO: 920mm

ALTURA DO SOLO: 365mm

PESO: 105 Kg

Tanque:7 L

PNEU DIANTEIRO: MICHELIN 90/90 - 21"

PNEU TRASEIRO: MICHELIN 120/80 - 18"

Aros de Alumínio

Escapamento BelParts

Guidão de alumínio REIKON

Plásticos Polisport

CORES DISPONÍVEIS: Branco

Valor: R$18.500,00 + Frete cobrado a parte - Disponibilidade e valores sujeito alteração sem aviso Prévio.

AJP PR5

MOTOR: 1 cilindro, 4 tempos, 4 válvulas, OHC

Refrigeração líquida, COM VENTOINHA de fábrica

DIÂMETRO x CURSO 77 X 53.6mm

CILINDRO DE CROMO

CILINDRADA 249 cm3

POTÊNCIA 27.5 Cv

INJEÇÃO ELETRÔNICA Delphi

Partida Elétrica

Cambio de 6 marchas

SUSPENSÃO DIANTEIRA: Sachs 48mm - curso 280mm multi ajustável

SUSPENSÃO TRASEIRA: ZF Sachs - curso 300mm multi ajustável

Freio Dianteiro: Disco ∅ 260mm

Freio Traseiro: Disco ∅ 220mm

ALTURA ASSENTO: 950mm Tanque transparente de 7,5 L

PNEU DIANTEIRO: MICHELIN 90/90 - 21"

PNEU TRASEIRO: MICHELIN 120/80 - 18"

Guidão de alumínio REIKON fatbar

Regulagem/ajuste rápido de embreagem

Peso: 110kg

Plásticos Polisport

CORES DISPONÍVEIS: Branco

Valor: R$24.500,00 + Frete cobrado a parte– Disponibilidade e valores sujeito alteração sem aviso Prévio.

Os brasileiros Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin ainda estão em festa pelo título dos UTVs no 40º Rally Dakar a bordo do Can-Am Maverick X3. O feito histórico foi confirmado neste sábado (20), após 14 etapas e mais de oito mil quilômetros nas trilhas do Peru, Bolívia e Argentina. “A categoria para UTVs está ao alcance de todas as pessoas. A tendência é de que cresça cada vez mais no Rally Dakar e nas competições off-road pelo mundo”, disse o piloto Varela.

Denominada SxS no Rally Dakar, a classe para UTVs tem atraído atenções no maior rally do mundo. A categoria era uma divisão dos carros e ganhou premiação independente há dois anos. “Cada vez mais, as pessoas enxergam os UTVs como alternativa para realizar o sonho de disputar o Rally Dakar. A categoria oferece mais segurança que as motocicletas, sem perder o vento no rosto e o contato com o ambiente, e é muito mais econômica que os carros”, comparou.

Varela acrescentou: “Tudo isso sem contar o prazer de pilotagem. A experiência que tivemos com o Can-Am Maverick X3 trouxe momentos de muita diversão, mesmo estando no rally mais difícil do mundo, e mostrou que o veículo é extremamente resistente e confiável”. O navegador catarinense Gugelmin também aposta no crescimento da classe.

“A categoria para UTVs veio para ficar. Os competidores de outras classes no Rally Dakar ficaram extremamente interessados no nosso Can-Am Maverick X3, além de surpresos pelo alto desempenho que o veículo mostrou durante toda a prova. A cada ano, os UTVs conquistam mais fãs e a categoria cresce de forma consistente nas provas off-road”, concluiu.

Sobre a BRP – A BRP (TSX: DOO) é líder global no design, desenvolvimento, fabricação, distribuição e marketing de veículos powersports e sistemas de propulsão. Seu portfólio inclui os veículos para neve Ski-Doo e Lynx, as motos aquáticas Sea-Doo, os veículos off-road e roadsters Spyder da Can-Am e os sistemas de propulsão marítima Evinrude e Rotax, bem como os motores Rotax para karts, motocicletas e aeronaves recreativas. A BRP dá suporte a sua linha de produtos com peças, acessórios e vestuário. Com renda anual de CA$ 4,2 bilhões em mais de 100 países, a empresa conta com aproximadamente 8.700 colaboradores em todo o mundo.

Colaboração e foto: Mundo Press/Vinicius Branca/photosdakar.com

Depois de quilômetros e quilômetros pelas montanhas da Serra da Mantiqueira, os pilotos que participaram da Trilha da Fé retornaram a cidade de Lavras no sul de Minas Gerais. Foram 04 dias de muita adrenalina, percorrendo 805 kms entre as trilhas que ligam as cidades do Circuito da Mantiqueira saindo de Minas até São Paulo.

"Mais uma vez com a missão cumprida nos 4 dias da Trilha da Fé Ipês Off Road, que venha 2019 pois os planos já começaram, agradecemos a todos pela participação" comentou Lúcio Ribeiro, organizador e guia do passeio ao site CorrosivoFilmes.

Até 2019!

Por Leo "Corrosivo" direto da redação com colaboração de Lúcio Ribeiro.

O terceiro dia da Trilha da fé foi marcado por trechos de trilhas mais tranquilas porém longo. Os pilotos saíram da cidade de Aparecida/SP bem cedo rumo a pacata e charmosa Lambari já em solo mineiro.

Pelo percurso as trilhas pelas montanhas até Campo dos Jordão/SP passando pelas belas paisagens da região de Piranguçu/MG até chegar em Itajubá/MG.

"O ponto mais exigente do dia foi após Itajubá nas subidas da Jorgina e do Pedrão, vamos ao descanso pois amanhã tem o último dia" relatou Lúcio Ribeiro, organizador e guia do Passeio da fé.

Domingo agora os pilotos retornam até a cidade de Lavras/MG e fecham o dia com muito causos para contar.

Por Leo "Corrosivo" direto da redação com colaboração de Lúcio Ribeiro.

A KTM não brinca em serviço e conquista a sua 17º vitória consecutiva no Dakar com o piloto Matthias Walkner. O piloto argentino Kevin Bernavides da Honda ficou em segundo e o australiano Toby Price da KTM em terceiro na classificação final.

Para conferir a posição dos outros competidores é só acessar o link oficial da prova abaixo:
https://www.dakar.com/es/clasificaciones/etapa-14

Por Leo "Corrosivo" direto da redação com foto da DPPI

A turma da Trilha da Fé chegou ao segundo dia de aventura. Agora serão 200 km de muita trilha saindo de Lambari/MG até a cidade paulista de Aparecida. O dia começou dentro da programação com uma bela oração antes de encarar as trilhas da região da Serra da Mantiqueira.

Além da turma da Trilha da Fé os pilotos tiveram a grata companhia dos nossos amigos do Paiolinho, Edinho, Tchu, João Paulo, e de Socorro o amigo Evair.

Hoje foi mais um dia em que o sol esteve presente, o que ajudou muito na elaboração de trilhas nos terrenos lisos de Lambari/MG e da Serra da Mantiqueira.  Como ponto marcante do dia tivemos a passagem pela Fazenda Boa Esperança e a descida dos Pilões e depois o destino final Aparecida/SP junto com a chuva que promete dar uma apimentada na volta amanhã por Campos do Jordão/SP.

"Amanhã tem mais é o dia promete ser mais liso" comentou Lúcio Ribeiro, Guia do Passeio ao Site Corrosivo Filmes.

Fiquem ligados que em breve mais notícias desta incrível aventura.

Por Leo "Corrosivo" direto da redação com fotos de Lucio Ribeiro.

A Trilha da Fé chega a sua 11º Edição 2018 e os pilotos já estão na trilha rumo a cidade de Aparecida/SP saindo de Lavras/MG. Pelo percurso muita aventura, belas paisagens e amizade. O primeiro dia do percurso os amigos da fé enfrentaram algumas das trilhas como Cavalo e Carrapatinho em Lavras e Sanhaço em São Thomé das Letras.

Depois de um merecido descanso na terras das pedras, os pilotos seguiram até Lambari/MG por trilhas rápidas e mais abertas finalizando o 1º dia de passeio.

Fiquem ligados que em breve mais notícias desta incrível aventura pelas Trilhas da Serra da Mantiqueira aqui no site CorrosivoFilmes.

Por Leo "Corrosivo" com fotos de Lúcio Ribeiro direto do passeio das Trilha da Fé.

 

Pelo visto a KTM não quer perde o reinado e busca a sua 17º vitória no Dokar. O piloto austríaco Matthias Walkner levou o dia 10º etapa e o piloto australiano Toby Price ficou com o melhor resultado da 11º etapa a bordo das suas KTM 450cc Rally.

Com isso, o resultado acumulado mudou bastante deixando a KTM de volta entre os favoritos ao título 2018. Mesmo assim, a Honda continua em busca da vitória com o piloto argentino Kevin Benavides que está em 2º lugar na geral.

Ainda tem muito chão pela frente e muita coisa pode mudar até lá.

Vamos aguardar!

Por Leo "Corrosivo" direto da redação com foto do Dakar A Viallate.

Parece que os pilotos da Yamaha e Honda estão querendo desbancar o reinado da KTM em 2018.  A marca laranja que vem vencendo as últimas temporadas terá que acelerar muito para manter o seu posto de Campeã.

Claro que ainda falta a mesma distância do Rally do Sertões para finalizar a prova e até lá, muita coisa pode mudar.

Vamos aguardar os próximos capítulos desta incrível prova e façam suas apostas.

Classificação Geral:

1º - Adrien Van Beveren - Yamaha

2º - Kevin Benavides - Honda

3º - Matthias Walkner – KTM

Por Leo “Corrosivo” direto da redação com fotos do Dakar.

Preparam suas motos que o Campeonato Brasileiro de Enduro FIM já tem data para começar e promete uma temporada pra lá de emocionante.

Confira abaixo:

Itupeva/SP - 23 e 25/03

Patrocínio/MG - 14 e 15/04

Biguaçu/SC - 19 e 20/05

Aracruz/ES - 09 e 10/06

Marzagão/GO - 30/06 e 01/07

Farroupilhas/RS - 04 e 05/08

Araxá/MG - 29 e 30/09

E ai, bora lá acelerar pelo Brasil?

Por Leo "Corrosivo" direto da redação.