A Royal Enfield lançou nesta terça feira (22/01) no Brasil a Himalayan, o modelo trail da marca pelo preço sugerido de R$ 18.990,00.  A nova moto chega ao país disponível inicialmente nas cores Preto ou Branco Fosco.

Equipada com motor monocilíndrico 4 tempos e refrigerado a ar, a Himalayan entrega 25 cavalos a 6.500 rpm com 3,25 kgfm a 4.250 rpm. A moto conta com câmbio de 5 marchas, injeção eletrônica, rodas raiadas de aro 21 polegadas na frente e 17 atrás, farol em led e freio com sistema ABS.

Outra novidade anunciada no evento de lançamento é a ampliação da rede da Royal Enfield para 10 lojas até o final do ano em diversas cidades brasileiras.

Para saber mais a respeito desta nova moto que promete agitar o mercado das aventureiras de média cilindradas, entre em contato com a loja em São Paulo: (11) 5051-7700 

Por Leo Tavares direto da redação.

A cidade de Pato de Minas estreará no calendário brasileiro de Rally Cross-Country e Rally Baja. Abertura da temporada 2019 será em março. A Rallymakers começou os trabalhos para a etapa de abertura dos campeonatos Brasileiros de Rally Country e Rally Baja 2019, e escolheu a cidade mineira de Patos de Minas para sediar a competição. De 15 a 17 de março, o evento concentrará pilotos e navegadores das categorias motos, quadriciclos, UTVs e carros. As inscrições estão abertas em www.rallymakers.com.br. 

De acordo com o diretor executivo da Rallymakers, Fernando Bentivoglio, o 2º Rally Minas Brasil terá percurso total de 420 quilômetros, sendo 300 quilômetros de trechos cronometrados em dois dias de competição, que passarão também pelo município de Presidente Olegário – que se destaca pela beleza de imensos chapadões. “Acredito que novamente surpreenderemos os participantes, com um evento rico em cenários e belezas naturais. São conjuntos de serras e montanhas (chapadas) que darão um charme especial à disputa”, declarou Bentivoglio. 

O parque de apoio será montado no CEASA Regional de Patos de Minas, localizado na Av. Maria C. da Fonseca, 1.080, com início das atividades e abertura da secretaria de prova na sexta-feira (15), a partir das 10h. “Os trechos das especiais serão mistos. Passaremos por áreas agrícolas, regiões de serras e cânions. O terreno diversificará entre areia, trial e terra batida. Digo que será uma especial bem completa, com setores de velocidade alta, média e baixa”, contou Bentivoglio. 

Patos de Minas apresenta um excelente potencial para o Turismo e Ecoturismo. O conjunto de serras mais importantes da região é o Espigão Mestre, onde está o divisor de águas das bacias do Rio São Francisco e do Rio Paraná. Ainda, há as serras dos Magalhães, Grande, de Santa Maria, do Leal, do Baú, do Barbosa, da Paciência, do Mamão e do Pião.

O 2º Rally Minas Brasil é uma realização da Rallymakers, com apoio da Prefeitura Municipal de Patos de Minas e Prefeitura Municipal de Presidente Olegário

Supervisão: CBM, CBA, FMEMG, FMA e RCMG

Por Leo Tavares direto da redação com a colaboração da Liberdade de Ideias.

Será dada a largada para a temporada 2019 da equipe Honda Racing de Enduro de Regularidade. O Rally Piocerá parte de Teresina (PI) nesta terça-feira (dia 22) e segue até Juazeiro do Norte (CE), onde recebe os vencedores no dia 25 de janeiro. De olho no tricampeonato das motos, Tunico Maciel, piloto mineiro atual campeão do Rally dos Sertões, está pronto para o desafio na categoria principal, a Master. Outro destaque é a presença do tetracampeão brasileiro da modalidade Dário Julio, que retorna para a categoria Master após oito temporadas de ausência.

A largada promocional do Rally Piocerá está marcada para a próxima segunda-feira (21), no Teresina Shopping. No dia seguinte, os competidores partem para a primeira etapa da competição, sendo que o roteiro completo inclui 1.279 km em quatro dias de disputas. Além de Teresina (PI) e Juazeiro do Norte (CE), o roteiro inclui passagens pelas cidades de Floriano e Picos, no Piauí, e Iguatu, no Ceará.

A bordo da Honda CRF 450RX, motocicleta com a qual venceu o Rally dos Sertões na temporada passada, Maciel está motivado para a primeira prova do ano. “A expectativa é muito boa. Eu venho treinando muito, tanto em cima da moto quanto a parte física, e estou em boas condições de lutar mais uma vez pelo título”, declarou. “Vou dar meu melhor e, se Deus quiser, o resultado virá.”

Em 2019, Maciel continuará alternando provas de Enduro de Regularidade com provas de Rally Cross Country. “O Enduro de Regularidade exige muita cautela, muita navegação, não adianta ser muito rápido se não navegar bem. Então, tenho que me concentrar bastante, será a primeira prova do ano, vou tomar cuidado para não me machucar e não ter nenhum imprevisto”, disse. 

Mesmo com o ótimo retrospecto de 2018, que além do título do Rally dos Sertões incluiu a vitória no Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country pela categoria Production Aberta, o piloto que ir mais longe nesta temporada.. “Quero superar o desempenho do ano passado, andar muito forte em todas as provas e vencer tudo o que for possível. Estou bem animado para esse ano, muito animado mesmo”, garantiu o piloto de Lavras (MG).

Após faturar todas as disputas de 2018 pelas categorias Over 40 e Brasil, o piloto Dário Julio está de volta à classe Master. Ele terá como aliada a recém-lançada motocicleta Honda CRF 250F. 

“A Master é onde estão os principais pilotos do Brasil, espero um nível ainda mais alto nas provas. Por isso, eu treinei bastante com o Tunico, que já corre nessa categoria”, disse o piloto e chefe de equipe da Honda Racing. Ele também é lavrense. “É a primeira prova do ano e vou ver como realmente estou em relação aos meus concorrentes. De qualquer forma, estou bem animado e a adaptação à moto CRF 250F está ótima. A máquina apresentou um ótimo conjunto: a ciclística facilita a pilotagem, o motor é forte e a injeção eletrônica e as suspensões ficaram muito boas.”

Esta é a primeira vez que Dário Júlio e Tunico Maciel serão adversários em uma mesma categoria. “O Tunico será meu adversário, mas, ao mesmo tempo, pensando como equipe, isso será bem legal”, disse Dário Júlio. “Apesar de pilotarmos motos diferentes, estaremos mais próximos e dentro da mesma categoria, ou seja, um poderá ajudar o outro sempre que houver necessidade”, completou o experiente piloto.

A equipe Honda Racing de Enduro de Regularidade conta com o patrocínio de Honda, Michelin, D.I.D e Mobil.

Programação - Rally Piocerá 2019*

Segunda-feira - 21/1
Local: Teresina Shopping
Das 8h às 15h - Vistorias técnicas e administrativas
Das 8h30 às 9h10 - Briefing categoria Bicicletas
Das 9h20 às 10h - Briefing Motos e Moto Turismo
Das 10h10 às 10h50 - Briefing UTVs, Quadriciclos e Motos Rally
Das 11h às 11h40 - Briefing Carros 4x4
19h30 - Largada Promocional
21h30 - Show Equipe Força & Ação

Terça-feira (22/1) 
Teresina (PI) a Floriano (PI)
Percurso categoria Motos: 364 km

Quarta-feira (23/1)
Floriano (PI) - Picos (PI)
Percurso categoria Motos: 282 km 

Quinta-feira (24/1)
Picos (PI) - Iguatu (CE)
Percurso categoria Motos: 427 km

Sexta-feira (25/1)
Iguatu (CE) - Juazeiro do Norte (CE)
Percurso categoria Motos: 206 km

Total: 1.279 km

*A programação é fornecida pela organização do evento e está sujeita a alterações.

Por Leo Tavares com a colaboração do Mundo Press e com foto de Idário Café

Pela primeira vez disputando o Rally Dakar, o maior e mais desafiador do mundo, a equipe brasileira X Rally Team pode se orgulhar de um feito e tanto. Não só completou os mais de cinco mil quilômetros e dez dias de prova com os dois UTVs Can-Am Maverick X3, como também terminou a competição entre os dez melhores da categoria.

Bicampeões brasileiros de rali cross country, Marcos Baumgart e Kleber Cincea, dupla já com a experiência de um Dakar, em 2013, completaram a prova pela primeira vez e ficaram em sexto lugar na classificação geral. Tricampeões do Rally dos Sertões, Cristian Baumgart e Beco Andreotti finalizaram o maior desafio de suas carreiras na nona posição geral, com a dupla tendo sido a terceira melhor estreante.

A vitória entre os UTVs ficou com os chilenos Chaleco López e Alvaro Quintanilla. Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin, campeões de 2018, terminaram em terceiro lugar.

No UTV número 412, Marcos e Kleber adotaram estratégia cautelosa, buscando terminar dia a dia. Enfrentaram problemas, mas conseguiram contorna-los para finalizar a prova em Lima nesta quarta-feira. “Para ser sincero, eu não imaginava que iríamos terminar. O Dakar é muito difícil com equipamento, com o corpo e com o psicológico da gente. É demais chegar ao final, um sentimento incrível de realização. Dakar é Dakar, e só estando aqui para saber. Chegar é uma vitória, um sonho realizado, uma classificação excelente. Aprendemos muito e fizemos história”, resumiu Marcos Baumgart.

“Neste ano nós cumprimos o objetivo, que era terminar. Estarmos juntos, como equipe, nos tornou mais fortes e possibilitou que pudéssemos chegar ao final. Realização é pouco para definir o que sinto. É demais, demais!”, exclamou Kleber Cincea.

Com Cristian Baumgart e Beco Andreotti, no UTV número 398, as coisas já começaram difíceis após a dupla enfrentar problemas elétricos no veículo nos dois primeiros dias, perdendo muito tempo e chegando a figurar na 19ª posição na classificação geral. Depois de solucionada a questão, eles passaram a andar mais forte e fecharam dois dias como a segunda dupla mais veloz entre os UTVs. Mostraram força e terminaram em nono lugar na classificação geral, na estreia do duo no Dakar.

“Muito legal poder completar o nosso primeiro Dakar, ainda mais entre os dez primeiros. Ficou um grande aprendizado, uma bagagem enorme. Muito bacana. A equipe toda foi sensacional. Foi inesquecível para todos nós, e a emoção de estar aqui no final é gigante – assim como a vontade de voltar. Antes eu tinha medo de andar nas dunas, porque elas são muito altas e imponentes, e agora deixou de ser um desafio para se tornar um prazer. Mais um sonho realizado”, afirmou Cristian Baumgart.

“Foi um rali muito duro, mais difícil do que imaginávamos, em um terreno com o qual não éramos tão familiarizados. Muita areia, muita duna. Foi um grande aprendizado, e poder concluir o Dakar na nossa primeira participação é uma grande conquista da equipe. Estamos muito felizes com isso e agora só queremos comemorar, porque tivemos um ano de planejamento muito intenso e felizmente conseguimos colocar tudo em prática”, destacou o navegador Beco Andreotti.

Resultado – UTVs (SxS):
10ª etapa: Pisco – Lima (112 km cronometrados)

2. Cristian Baumgart/Beco Andreotti (Can-Am) – 1h28min48s (3min39s do líder)
12. Marcos Baumgart/Kleber Cincea (Can-Am) – 1h42min11s (17min02s do líder)

Classificação geral – UTVs (SxS):
6. Marcos Baumgart/Kleber Cincea (Can-Am) – 46h07min07s (3h48min02s do líder)
9. Cristian Baumgart/Beco Andreotti (Can-Am) – 47h41min33s (5h22min28s do líder)

Por Leo Tavares direto da redação com colaboração de P1 Media Relations e foto de Victor Eleutério/photosdakar.com

A foto diz tudo!

Dakatr 2019 registrado por @Wolrd / ASO / Charly Lópes

O início de 2019 começou agitado para o Enduro, com várias mudanças nas equipes, novas marcas e muita expectativa para a temporada.

Indicativos que apontam uma boa fase para a modalidade no Brasil. “A cada ano, o Brasileiro de Enduro conquista mais espaço no segmento off-road, isto porque, além de profissionalismo e dedicação por parte dos organizadores, as equipes estão cada vez mais estruturadas, deixando as etapas mais competitividade, o que tem atraído atraindo novos adeptos por onde passa. A conquista da 8ª colocação no Six Days, na França 2017 e a boa participação dos Clubes no Chile em 2018, são frutos da evolução da modalidade no Brasil. Com certeza, isto passa pela necessidade de um apoio mais consistente do mercado, que já tem nos dado muitos sinais positivos.”, explicou Maurício Brandão, diretor da modalidade na Confederação Brasileira de Motociclismo (CBM).

A temporada está prevista para iniciar em março nos dias 15, 16 e 17 na cidade de Itapema (SC). Ao todo serão sete etapas que passarão também pelos estados do Rio Grande do Sul, Goiás, Minas Gerais e Espírito Santo. Ainda há uma etapa para ser definida a cidade.

Este ano o Campeonato Brasileiro de Enduro terá algumas alterações, como a criação das categorias KIDS, na qual as crianças participarão de três provas, usando um ou mais especiais, de acordo com a idade e possibilidades da logística da prova; a categoria Feminina terá três etapas, que estão previstas para as cidades de Itapema (SC), Marzagão (GO) e Patrocínio (MG); a categoria E4 será dividida em duas para equilibrar as disputas, sendo E4-Pro para motos originais até 28 CV, com preparação livre (a E4-Pro vai agregar ao “Enduro GP”), e E4-230, para motos refrigeradas a ar, com cilindrada original até 230cc, também preparação livre.

A expectativa também é tornar o Campeonato Brasileiro OPEN. "Desta forma facilitará a participação de pilotos estrangeiros, pois além dos europeus, muitos pilotos Sul-Americanos já demonstraram interesse em participar do nosso campeonato. Com a “Star Permission” emitida pela federação no país de origem qualquer piloto esta apto a participar" - comentou Brandão.

As disputas vão envolver as categorias KIDS, implementada este ano, E1, E2, E3, EJúnior, E4-Pro, E4 230, Over35, Over40, Over45 Over50, e EAmador, além da classe EFeminina e dos pilotos da elite do motociclismo, que também estarão de olho no título da “Enduro GP” (engloba E1,E2, E3, EJ e E4-Pro), o qual aponta o mais rápido da competição.

Este ano será entregue o Certificado Verde para os pilotos que cumprirem as metas ambientais, não ultrapassar o nível de ruídos do escapamento, tapete ecológico, pneu ecológico e destinação correta dos fluídos.

A elaboração do cronograma do campeonato levou em consideração o incentivo aos novos talentos e a conciliação de datas entre os principais eventos de Enduro FIM do ano. “Acreditamos que bons pilotos e boas disputas são a essência de qualquer competição, por isso novas categorias de acesso a modalidade, aprimoramentos na parte técnica e desportiva, que contou com a participação de todas as partes envolvidas para a elaboração do regulamento, e também a formação de ídolos para renovar e promover o esporte. Escolhemos datas que não conflitam com outros eventos importantes no Brasil, considerando o calendário Mundial, o Rally dos Sertões e o Enduro da Independência. A ideia é que o grid do Brasileiro de Enduro continue crescendo a cada ano”. - ressaltou Brandão.

Calendário Enduro FIM 2019

1ª etapa – 15, 16 e 17 de Março em Itapema (SC)

2ª etapa – 06 e 07 de Abril – Nova Brescia (RS)

3ª etapa – 25 e 26 de Maio A DEFINIR

4ª etapa – 08 e 09 de junho em Aracruz (ES)

5ª etapa – 29 e 30 de Junho – Marzagão (GO)

6ª etapa – 27 e 28 de Julho – Paraopeba (MG)

7ª etapa – 14 e 15 de Setembro – Patrocínio (MG)

A temporada 2019 terá o apoio da MRPRO Braces, ASW, Edgers, Motorex, Sig Visual, e o Jeri Adventure agregando novos parceiros, BMS Racing, W-Tech e MFX Motors do Brasil. A diretoria da modalidade ainda informou que novas parcerias ainda estão em fase de negociação e renovação.

Por Leo Tavares, direto da redação com informações da organização do Campeonato Brasileiro de Enduro 2019 e fotos de arquivo CF.

Pelo visto, o troféu de campeão do Dakar 2019 nas motos deve ir novamente para Áustria. A frente na somatória de pontos, a KTM e Husqvarna disputam pelo primeiro lugar. Já as marcas japonesas Honda e Yamaha que entraram com um time forte de pilotos foi ficando pelo caminho devido às quebras dos motores dos seus melhores competidores.

 

Agora falta muito pouco para saber quem leva a melhor!

Por Leo Tavares direto da redação com informações do Dakar e com fotos da DDPI

 

Notícia quente do Dakar 2019 enviada pelo jornalista Ricardo Ribeiro direto das areias do Peru. “ Ricky Brabec, da HRC, até então líder do Dakar nas Motos, está parado no Km 56 com o motor quebrado”, comentou Ribeiro via mensagem enviada ao canal CorrosivoFilmes/Garage40. Agora é aguardar mais noticias e ficar na torcida pela recuperção do piloto da Honda que vinha rodando bonito na prova.

E se você que ficar por dentro de tudo, acesse o canal oficial do jornalista no facebook: www.facebook.com/brasilnodakar e fique por dentro de tudo que está rolando lá na prova.

Por Leo Tavares com colaboração de Ricardo Ribeiro com fotos do Dakar Charles Lopes.

 

De volta à ponta da tabela. Depois de liderar o Rally Dakar 2019 nas duas primeiras etapas, a dupla Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin, da equipe Monster Energy/Can-Am, finalizou a sétima etapa no segundo posto e reassumiu o primeiro lugar da disputa para UTVs nesta segunda-feira (14), em San Juan de Marcona, no Peru. Atuais campeões da categoria, os brasileiros possuem vantagem de 4min03seg sobre os chilenos Francisco Lopez Contardo e Álvaro Quintanilla, que ocupam o segundo lugar do ranking, de acordo com os resultados extraoficiais. Os competidores utilizam o Can-Am Maverick X3 no desafio, o veículo que dominou as 14 primeiras posições da tabela de classificação dos UTVs.

“Voltamos para a prova. Reassumimos a liderança e agora não pretendemos perdê-la de novo”, disse o piloto Reinaldo Varela. “Correu tudo bem na sétima etapa. Tivemos um pneu furado no começo do dia, mas isso é algo normal de se acontecer em um rally. O UTV está ótimo, isso que importa.”

Faltando três etapas para o final, o navegador Gustavo Gugelmin dá a receita para a vitória: acelerar sem dó. “Estamos de volta à briga, pouco mais de quatro minutos à frente dos segundos colocados. Faltam só três dias, temos que acelerar, não tem essa de administrar a vantagem agora”, garantiu. Os vencedores do 41º Rally Dakar serão conhecidos no próximo dia 17, na capital Lima.

Além da vitória da dupla formada por Varela e Gugelmin, o Brasil foi destaque na etapa com a quarta e a quinta colocações de Marcos Baumgart/Kleber Cincea e Cristian Baumgart/Alberto Andreotti, respectivamente. A etapa desta segunda-feira teve largada e chegada na cidade de San Juan de Marcona. Foram percorridos 387 quilômetros, sendo 323 quilômetros de trecho cronometrado. Nesta terça-feira (15), os competidores vão a Pisco, enfrentando mais 575 quilômetros de desafios (360 deles de especiais).

O Rally Dakar 2019, realizado integralmente em um só país, o Peru, pela primeira vez em sua história, conta com 10 etapas e mais de 5 mil quilômetros no total (cerca de três mil quilômetros de especiais). Além de UTVs, a competição possui categorias para motos, carros, quadriciclos e caminhões.

Rally Dakar 2019 - Categoria UTVs (SxS)

Resultados da 7ª etapa (extraoficiais)

1 - #360 - Francisco Contardo / Álvaro Quintanilla (CHI) - 4:30:08 - Can-Am Maverick X3
2- #340 - Reinaldo Varela / Gustavo Gugelmin (BRA) - 4:52:12 - Can-Am Maverick X3
3 - #421 - Rodrigo Piazzoli / Jorge Diaz (CHI) - 4:53:16 - Can-Am Maverick X3
4 - #412 - Marcos Baumgart / Kleber Cincea (BRA) - 5:01:34 - Can-Am Maverick X3
5 - #398 - Cristian Baumgart / Alberto Andreotti (BRA) - 5:05:32 - Can-Am Maverick X3
6 - #372 - Miguel Jordão (POR) / Lourival Justo (BRA) - 5:13:19 - Can-Am Maverick X3
7 - #418 - José Hinojo Lopes / Javier Blaco (ESP) - 5:22:11 - Can-Am Maverick X3
8 - #431 - Jose Salaverry / Paul Aray (PER) - 5:32:31 - Can-Am Maverick X3
9 - #343 - Casey Currie (EUA) / Rafael Córdoba (ESP) - 5:36:22 - Can-Am Maverick X3
10 - #342 - Juan Carlos Vallejo (CHI) / Leonardo Baronio (PER) - 5:54:00 - Can-Am Maverick X3

Classificação acumulada após sete etapas (resultados extraoficiais)

1- #340 - Reinaldo Varela / Gustavo Gugelmin (BRA) - 31:33:41 - Can-Am Maverick X3
2 - #360 - Francisco Contardo / Álvaro Quintanilla (CHI) - 31:37:44 - Can-Am Maverick X3
3 - #421 - Rodrigo Piazzoli / Jorge Diaz (CHI) - 32:19:07 - Can-Am Maverick X3
4 - #358 - Gerard Guel / Daniel Carreras (ESP) - 32:35:49 - Can-Am Maverick X3
5 - #343 - Casey Currie (EUA) / Rafael Córdoba (ESP) - 33:26:39 - Can-Am Maverick X3
6 - #412 - Marcos Baumgart / Kleber Cincea (BRA) - 33:40:03 - Can-Am Maverick X3
7 - #372 - Miguel Jordão (POR) / Lourival Justo (BRA) - 34:11:31 - Can-Am Maverick X3
8 - #398 - Cristian Baumgart / Alberto Andreotti (BRA) - 34:29:48 - Can-Am Maverick X3
9 - #344 - Sergei Kariakin (RUS) / Anton Vlasiuk (LET) - 34:41:34 - Can-Am Maverick X3
10 - #418 - José Hinojo Lopes / Javier Blaco (ESP) - 34:55:41 - Can-Am Maverick X3

Roteiro do Rally Dakar 2019:

8ª etapa - Terça-feira (15/1)
San Juan de Marcona/Pisco
Quilometragem total - 575 km 
Trecho especial (cronometrado) - 360 km

Por Leo Tavares com a colaboração de Mundo Press e com foto de Victor Eleuterio

Dakar é sinônimo de perrengue. E as duplas do X Rally Team, equipe brasileira que compete entre os UTVs no principal rali do planeta, vêm tirando esta conclusão dia após dia. No domingo (14) foi disputada a sexta de dez etapas da prova, no dia mais longo de competição até agora, com 310 quilômetros cronometrados de um total de 810 enfrentados entre Arequipa e San Juan de Marcona.

Ambos os irmãos Baumgart tiveram de parar por diversas vezes pelo caminho pelos mais variados motivos: troca de pneus, de correia de motor, atoleiros, tombamentos, caminhos fechados por outros competidores, etc.. Isso tendo de enfrentar altíssimas dunas no trecho cronometrado.

“Hoje foram as dunas mais altas e mais difíceis. Três trocas de correia, uma que demorou 20 minutos para trocar porque ela deu um nó, um pneu furado e uma atolada. Um dia completo, em resumo. A navegação foi muito legal, com um waypoint muito escondido atrás de uma duna gigante; conseguimos, voltamos e completamos mais um dia. Mas foi muito difícil mesmo, bem pesado. O Bruno (Varela) e o Maykel (Justo) ajudaram a gente quando atolamos, e temos de agradecê-los pela ajuda”, revela Beco Andreotti, navegador de Cristian Baumgart, que continuou:

“Areia muito fofa o tempo todo. Atolamos em uma duna, aí contamos com a ajuda do Bruno Varela, que conseguiu puxar o nosso carro. Depois trocamos outra correia, furamos um pneu, quebrou mais uma correia... Pouca gente chegou, e estamos felizes em completarmos mais este dia. Foi um grande desafio”, resumiu o piloto, que terminou o dia com o 11º melhor tempo, pouco mais de uma hora e meia após os vencedores da etapa, a dupla chilena Francisco Lopez Contardo e Alvaro Quintanilla.

O navegador Kleber Cincea resumiu o que se vive no Dakar. “Com a gente aconteceu um pouco de tudo, vários problemas. O principal foi a pista bloqueada. O Bruno Varela teve algum problema e parou em um cânion, bloqueando todo o caminho: tinha carro, caminhão, UTV, todo mundo tentando achar uma saída, mas o local era uma reta, com paredão alto dos dois lados, e era muito difícil de sair. Conseguimos subir em uma parte menos íngreme, desviamos, e na hora de voltar para a rota o UTV tombou. Desviramos e seguimos em frente. Perdemos muito tempo, uma especial muito difícil. A organização prometeu e cumpriu, com dunas muito altas. Havia um waypoint na crista da duna mais alta do dia. Incrível”, descreveu.

“Só perrengue, mas estamos aí. É sempre uma alegria chegar ao bivouac e encontrar a equipe. Uma prova muito dura, mas o problema foram as consequências dos problemas, que acontecem, mas nos tomam muito tempo”, resumiu Marcos, que fechou o dia com a 13ª posição, sete minutos atrás de Cristian e Beco.

Na classificação geral, os espanhóis Gerard Guell e Daniel Carreras lideram entre os UTVs, com as duplas do X Rally Team ocupando lugares entre os dez melhores: Marcos e Kleber aparecem na nona colocação, uma posição à frente de Cristian e Beco.

Nesta segunda-feira (14), sétimo dia de competição, o ponto de partida e chegada é o mesmo. As equipes permanecem em San Juan de Marcona, e os competidores terão 64 quilômetros de deslocamentos e enfrentarão o cronômetro por 323 quilômetros. Cristian e Beco, no 398, largam às 8h14 locais (11h14 do Brasil), enquanto Marcos e Kleber partem dois minutos depois.

Resultado – UTVs (SxS):
6ª etapa: Arequipa – San Juan de Marcona (310 km cronometrados)
11. Cristian Baumgart/Beco Andreotti (Can-Am) – 5h43min30s (1h31min22s do líder)
13. Marcos Baumgart/Kleber Cincea (Can-Am) – 5h50min29s (1h38min21s do líder)

Classificação geral – UTVs (SxS):
9. Marcos Baumgart/Kleber Cincea (Can-Am) – 29h10min51s (3h01min58s do líder)
10. Cristian Baumgart/Beco Andreotti (Can-Am) – 29h24min16s (3h15min23s do líder)

O TRAJETO DO DAKAR 2019 NO PERU
14/01 (seg): 7ª Etapa: San Juan de Marcona > San Juan de Marcona
(Deslocamentos: 64 km; Especial: 323 km; Total; 387 km)
15/01 (ter): 8ª Etapa: San Juan de Marcona > Pisco
(Deslocamentos: 215 km; Especial: 360 km; Total; 575 km)
16/01 (qua): 9ª Etapa: Pisco > Pisco
(Deslocamentos: 96 km; Especial: 313 km; Total; 409 km)
17/01 (qui): 10ª Etapa: Pisco > Lima
(Deslocamentos: 247 km; Especial: 112 km; Total; 359 km)
TOTAL DE ESPECIAIS: 2.956 km
TOTAL DAKAR: 5.600 km

Por Leo Tavares com colaboração de P1 Media Relations com foto de Marcelo Machado/photosdakar.com