A foto diz tudo!

Dakatr 2019 registrado por @Wolrd / ASO / Charly Lópes

O início de 2019 começou agitado para o Enduro, com várias mudanças nas equipes, novas marcas e muita expectativa para a temporada.

Indicativos que apontam uma boa fase para a modalidade no Brasil. “A cada ano, o Brasileiro de Enduro conquista mais espaço no segmento off-road, isto porque, além de profissionalismo e dedicação por parte dos organizadores, as equipes estão cada vez mais estruturadas, deixando as etapas mais competitividade, o que tem atraído atraindo novos adeptos por onde passa. A conquista da 8ª colocação no Six Days, na França 2017 e a boa participação dos Clubes no Chile em 2018, são frutos da evolução da modalidade no Brasil. Com certeza, isto passa pela necessidade de um apoio mais consistente do mercado, que já tem nos dado muitos sinais positivos.”, explicou Maurício Brandão, diretor da modalidade na Confederação Brasileira de Motociclismo (CBM).

A temporada está prevista para iniciar em março nos dias 15, 16 e 17 na cidade de Itapema (SC). Ao todo serão sete etapas que passarão também pelos estados do Rio Grande do Sul, Goiás, Minas Gerais e Espírito Santo. Ainda há uma etapa para ser definida a cidade.

Este ano o Campeonato Brasileiro de Enduro terá algumas alterações, como a criação das categorias KIDS, na qual as crianças participarão de três provas, usando um ou mais especiais, de acordo com a idade e possibilidades da logística da prova; a categoria Feminina terá três etapas, que estão previstas para as cidades de Itapema (SC), Marzagão (GO) e Patrocínio (MG); a categoria E4 será dividida em duas para equilibrar as disputas, sendo E4-Pro para motos originais até 28 CV, com preparação livre (a E4-Pro vai agregar ao “Enduro GP”), e E4-230, para motos refrigeradas a ar, com cilindrada original até 230cc, também preparação livre.

A expectativa também é tornar o Campeonato Brasileiro OPEN. "Desta forma facilitará a participação de pilotos estrangeiros, pois além dos europeus, muitos pilotos Sul-Americanos já demonstraram interesse em participar do nosso campeonato. Com a “Star Permission” emitida pela federação no país de origem qualquer piloto esta apto a participar" - comentou Brandão.

As disputas vão envolver as categorias KIDS, implementada este ano, E1, E2, E3, EJúnior, E4-Pro, E4 230, Over35, Over40, Over45 Over50, e EAmador, além da classe EFeminina e dos pilotos da elite do motociclismo, que também estarão de olho no título da “Enduro GP” (engloba E1,E2, E3, EJ e E4-Pro), o qual aponta o mais rápido da competição.

Este ano será entregue o Certificado Verde para os pilotos que cumprirem as metas ambientais, não ultrapassar o nível de ruídos do escapamento, tapete ecológico, pneu ecológico e destinação correta dos fluídos.

A elaboração do cronograma do campeonato levou em consideração o incentivo aos novos talentos e a conciliação de datas entre os principais eventos de Enduro FIM do ano. “Acreditamos que bons pilotos e boas disputas são a essência de qualquer competição, por isso novas categorias de acesso a modalidade, aprimoramentos na parte técnica e desportiva, que contou com a participação de todas as partes envolvidas para a elaboração do regulamento, e também a formação de ídolos para renovar e promover o esporte. Escolhemos datas que não conflitam com outros eventos importantes no Brasil, considerando o calendário Mundial, o Rally dos Sertões e o Enduro da Independência. A ideia é que o grid do Brasileiro de Enduro continue crescendo a cada ano”. - ressaltou Brandão.

Calendário Enduro FIM 2019

1ª etapa – 15, 16 e 17 de Março em Itapema (SC)

2ª etapa – 06 e 07 de Abril – Nova Brescia (RS)

3ª etapa – 25 e 26 de Maio A DEFINIR

4ª etapa – 08 e 09 de junho em Aracruz (ES)

5ª etapa – 29 e 30 de Junho – Marzagão (GO)

6ª etapa – 27 e 28 de Julho – Paraopeba (MG)

7ª etapa – 14 e 15 de Setembro – Patrocínio (MG)

A temporada 2019 terá o apoio da MRPRO Braces, ASW, Edgers, Motorex, Sig Visual, e o Jeri Adventure agregando novos parceiros, BMS Racing, W-Tech e MFX Motors do Brasil. A diretoria da modalidade ainda informou que novas parcerias ainda estão em fase de negociação e renovação.

Por Leo Tavares, direto da redação com informações da organização do Campeonato Brasileiro de Enduro 2019 e fotos de arquivo CF.

Pelo visto, o troféu de campeão do Dakar 2019 nas motos deve ir novamente para Áustria. A frente na somatória de pontos, a KTM e Husqvarna disputam pelo primeiro lugar. Já as marcas japonesas Honda e Yamaha que entraram com um time forte de pilotos foi ficando pelo caminho devido às quebras dos motores dos seus melhores competidores.

 

Agora falta muito pouco para saber quem leva a melhor!

Por Leo Tavares direto da redação com informações do Dakar e com fotos da DDPI

 

Notícia quente do Dakar 2019 enviada pelo jornalista Ricardo Ribeiro direto das areias do Peru. “ Ricky Brabec, da HRC, até então líder do Dakar nas Motos, está parado no Km 56 com o motor quebrado”, comentou Ribeiro via mensagem enviada ao canal CorrosivoFilmes/Garage40. Agora é aguardar mais noticias e ficar na torcida pela recuperção do piloto da Honda que vinha rodando bonito na prova.

E se você que ficar por dentro de tudo, acesse o canal oficial do jornalista no facebook: www.facebook.com/brasilnodakar e fique por dentro de tudo que está rolando lá na prova.

Por Leo Tavares com colaboração de Ricardo Ribeiro com fotos do Dakar Charles Lopes.

 

De volta à ponta da tabela. Depois de liderar o Rally Dakar 2019 nas duas primeiras etapas, a dupla Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin, da equipe Monster Energy/Can-Am, finalizou a sétima etapa no segundo posto e reassumiu o primeiro lugar da disputa para UTVs nesta segunda-feira (14), em San Juan de Marcona, no Peru. Atuais campeões da categoria, os brasileiros possuem vantagem de 4min03seg sobre os chilenos Francisco Lopez Contardo e Álvaro Quintanilla, que ocupam o segundo lugar do ranking, de acordo com os resultados extraoficiais. Os competidores utilizam o Can-Am Maverick X3 no desafio, o veículo que dominou as 14 primeiras posições da tabela de classificação dos UTVs.

“Voltamos para a prova. Reassumimos a liderança e agora não pretendemos perdê-la de novo”, disse o piloto Reinaldo Varela. “Correu tudo bem na sétima etapa. Tivemos um pneu furado no começo do dia, mas isso é algo normal de se acontecer em um rally. O UTV está ótimo, isso que importa.”

Faltando três etapas para o final, o navegador Gustavo Gugelmin dá a receita para a vitória: acelerar sem dó. “Estamos de volta à briga, pouco mais de quatro minutos à frente dos segundos colocados. Faltam só três dias, temos que acelerar, não tem essa de administrar a vantagem agora”, garantiu. Os vencedores do 41º Rally Dakar serão conhecidos no próximo dia 17, na capital Lima.

Além da vitória da dupla formada por Varela e Gugelmin, o Brasil foi destaque na etapa com a quarta e a quinta colocações de Marcos Baumgart/Kleber Cincea e Cristian Baumgart/Alberto Andreotti, respectivamente. A etapa desta segunda-feira teve largada e chegada na cidade de San Juan de Marcona. Foram percorridos 387 quilômetros, sendo 323 quilômetros de trecho cronometrado. Nesta terça-feira (15), os competidores vão a Pisco, enfrentando mais 575 quilômetros de desafios (360 deles de especiais).

O Rally Dakar 2019, realizado integralmente em um só país, o Peru, pela primeira vez em sua história, conta com 10 etapas e mais de 5 mil quilômetros no total (cerca de três mil quilômetros de especiais). Além de UTVs, a competição possui categorias para motos, carros, quadriciclos e caminhões.

Rally Dakar 2019 - Categoria UTVs (SxS)

Resultados da 7ª etapa (extraoficiais)

1 - #360 - Francisco Contardo / Álvaro Quintanilla (CHI) - 4:30:08 - Can-Am Maverick X3
2- #340 - Reinaldo Varela / Gustavo Gugelmin (BRA) - 4:52:12 - Can-Am Maverick X3
3 - #421 - Rodrigo Piazzoli / Jorge Diaz (CHI) - 4:53:16 - Can-Am Maverick X3
4 - #412 - Marcos Baumgart / Kleber Cincea (BRA) - 5:01:34 - Can-Am Maverick X3
5 - #398 - Cristian Baumgart / Alberto Andreotti (BRA) - 5:05:32 - Can-Am Maverick X3
6 - #372 - Miguel Jordão (POR) / Lourival Justo (BRA) - 5:13:19 - Can-Am Maverick X3
7 - #418 - José Hinojo Lopes / Javier Blaco (ESP) - 5:22:11 - Can-Am Maverick X3
8 - #431 - Jose Salaverry / Paul Aray (PER) - 5:32:31 - Can-Am Maverick X3
9 - #343 - Casey Currie (EUA) / Rafael Córdoba (ESP) - 5:36:22 - Can-Am Maverick X3
10 - #342 - Juan Carlos Vallejo (CHI) / Leonardo Baronio (PER) - 5:54:00 - Can-Am Maverick X3

Classificação acumulada após sete etapas (resultados extraoficiais)

1- #340 - Reinaldo Varela / Gustavo Gugelmin (BRA) - 31:33:41 - Can-Am Maverick X3
2 - #360 - Francisco Contardo / Álvaro Quintanilla (CHI) - 31:37:44 - Can-Am Maverick X3
3 - #421 - Rodrigo Piazzoli / Jorge Diaz (CHI) - 32:19:07 - Can-Am Maverick X3
4 - #358 - Gerard Guel / Daniel Carreras (ESP) - 32:35:49 - Can-Am Maverick X3
5 - #343 - Casey Currie (EUA) / Rafael Córdoba (ESP) - 33:26:39 - Can-Am Maverick X3
6 - #412 - Marcos Baumgart / Kleber Cincea (BRA) - 33:40:03 - Can-Am Maverick X3
7 - #372 - Miguel Jordão (POR) / Lourival Justo (BRA) - 34:11:31 - Can-Am Maverick X3
8 - #398 - Cristian Baumgart / Alberto Andreotti (BRA) - 34:29:48 - Can-Am Maverick X3
9 - #344 - Sergei Kariakin (RUS) / Anton Vlasiuk (LET) - 34:41:34 - Can-Am Maverick X3
10 - #418 - José Hinojo Lopes / Javier Blaco (ESP) - 34:55:41 - Can-Am Maverick X3

Roteiro do Rally Dakar 2019:

8ª etapa - Terça-feira (15/1)
San Juan de Marcona/Pisco
Quilometragem total - 575 km 
Trecho especial (cronometrado) - 360 km

Por Leo Tavares com a colaboração de Mundo Press e com foto de Victor Eleuterio

Dakar é sinônimo de perrengue. E as duplas do X Rally Team, equipe brasileira que compete entre os UTVs no principal rali do planeta, vêm tirando esta conclusão dia após dia. No domingo (14) foi disputada a sexta de dez etapas da prova, no dia mais longo de competição até agora, com 310 quilômetros cronometrados de um total de 810 enfrentados entre Arequipa e San Juan de Marcona.

Ambos os irmãos Baumgart tiveram de parar por diversas vezes pelo caminho pelos mais variados motivos: troca de pneus, de correia de motor, atoleiros, tombamentos, caminhos fechados por outros competidores, etc.. Isso tendo de enfrentar altíssimas dunas no trecho cronometrado.

“Hoje foram as dunas mais altas e mais difíceis. Três trocas de correia, uma que demorou 20 minutos para trocar porque ela deu um nó, um pneu furado e uma atolada. Um dia completo, em resumo. A navegação foi muito legal, com um waypoint muito escondido atrás de uma duna gigante; conseguimos, voltamos e completamos mais um dia. Mas foi muito difícil mesmo, bem pesado. O Bruno (Varela) e o Maykel (Justo) ajudaram a gente quando atolamos, e temos de agradecê-los pela ajuda”, revela Beco Andreotti, navegador de Cristian Baumgart, que continuou:

“Areia muito fofa o tempo todo. Atolamos em uma duna, aí contamos com a ajuda do Bruno Varela, que conseguiu puxar o nosso carro. Depois trocamos outra correia, furamos um pneu, quebrou mais uma correia... Pouca gente chegou, e estamos felizes em completarmos mais este dia. Foi um grande desafio”, resumiu o piloto, que terminou o dia com o 11º melhor tempo, pouco mais de uma hora e meia após os vencedores da etapa, a dupla chilena Francisco Lopez Contardo e Alvaro Quintanilla.

O navegador Kleber Cincea resumiu o que se vive no Dakar. “Com a gente aconteceu um pouco de tudo, vários problemas. O principal foi a pista bloqueada. O Bruno Varela teve algum problema e parou em um cânion, bloqueando todo o caminho: tinha carro, caminhão, UTV, todo mundo tentando achar uma saída, mas o local era uma reta, com paredão alto dos dois lados, e era muito difícil de sair. Conseguimos subir em uma parte menos íngreme, desviamos, e na hora de voltar para a rota o UTV tombou. Desviramos e seguimos em frente. Perdemos muito tempo, uma especial muito difícil. A organização prometeu e cumpriu, com dunas muito altas. Havia um waypoint na crista da duna mais alta do dia. Incrível”, descreveu.

“Só perrengue, mas estamos aí. É sempre uma alegria chegar ao bivouac e encontrar a equipe. Uma prova muito dura, mas o problema foram as consequências dos problemas, que acontecem, mas nos tomam muito tempo”, resumiu Marcos, que fechou o dia com a 13ª posição, sete minutos atrás de Cristian e Beco.

Na classificação geral, os espanhóis Gerard Guell e Daniel Carreras lideram entre os UTVs, com as duplas do X Rally Team ocupando lugares entre os dez melhores: Marcos e Kleber aparecem na nona colocação, uma posição à frente de Cristian e Beco.

Nesta segunda-feira (14), sétimo dia de competição, o ponto de partida e chegada é o mesmo. As equipes permanecem em San Juan de Marcona, e os competidores terão 64 quilômetros de deslocamentos e enfrentarão o cronômetro por 323 quilômetros. Cristian e Beco, no 398, largam às 8h14 locais (11h14 do Brasil), enquanto Marcos e Kleber partem dois minutos depois.

Resultado – UTVs (SxS):
6ª etapa: Arequipa – San Juan de Marcona (310 km cronometrados)
11. Cristian Baumgart/Beco Andreotti (Can-Am) – 5h43min30s (1h31min22s do líder)
13. Marcos Baumgart/Kleber Cincea (Can-Am) – 5h50min29s (1h38min21s do líder)

Classificação geral – UTVs (SxS):
9. Marcos Baumgart/Kleber Cincea (Can-Am) – 29h10min51s (3h01min58s do líder)
10. Cristian Baumgart/Beco Andreotti (Can-Am) – 29h24min16s (3h15min23s do líder)

O TRAJETO DO DAKAR 2019 NO PERU
14/01 (seg): 7ª Etapa: San Juan de Marcona > San Juan de Marcona
(Deslocamentos: 64 km; Especial: 323 km; Total; 387 km)
15/01 (ter): 8ª Etapa: San Juan de Marcona > Pisco
(Deslocamentos: 215 km; Especial: 360 km; Total; 575 km)
16/01 (qua): 9ª Etapa: Pisco > Pisco
(Deslocamentos: 96 km; Especial: 313 km; Total; 409 km)
17/01 (qui): 10ª Etapa: Pisco > Lima
(Deslocamentos: 247 km; Especial: 112 km; Total; 359 km)
TOTAL DE ESPECIAIS: 2.956 km
TOTAL DAKAR: 5.600 km

Por Leo Tavares com colaboração de P1 Media Relations com foto de Marcelo Machado/photosdakar.com

O domingo (dia 13) não foi de descanso para os participantes do Rally Dakar 2019. Na etapa mais longa desta edição, com 839 km, os pilotos passaram do interior à costa do Pacífico, da altitude da fria e úmida Arequipa ao vento e calor de San Juan de Marcona.

A sexta etapa do Dakar 2019 teve início nas impressionantes dunas de Tanaka, à beira do Oceano Pacífico, de onde os competidores largaram para uma primeira parte de trecho cronometrado de 84 km. Na sequência, um deslocamento de 18 km precedeu a difícil conclusão do trecho cronometrado, nada menos do que 232 km que terminaram no acampamento de San Juan de Marcona.

Kevin Benavides lutou com unhas e dentes pela vitória nesta etapa e chegou bem perto de seu objetivo, encerrando o dia na segunda posição, a menos de dois minutos de diferença de seu rival, Pablo Quintanilla. Com este resultado o argentino do Monster Energy Honda Team galgou da sexta para a quarta posição na classificação geral, reduzindo em um minuto sua diferença em relação ao líder.

O norte-americano Ricky Brabec perdeu tempo na etapa em busca de um waypoint e tal dificuldade lhe custou a liderança da competição. Apesar disso, o piloto tem menos de cinco minutos de atraso em relação ao novo líder do Dakar.

Nacho Cornejo, por ter sido restituído pelos organizadores dos minutos empenhados no socorro ao companheiro de time Paulo Gonçalves durante a quinta etapa, largou na segunda posição e teve que abrir o roteiro do dia. Apesar desta situação de desvantagem, conseguiu manter um bom ritmo e concluir a etapa.

Nesta segunda-feira (14), está sendo realizada a primeira etapa “laço” desta edição do Dakar, com 387 km, incluindo o maior trecho cronometrado da programação - nada menos que 323 km.  A previsão é de navegação muito difícil em um terreno marcado pela passagem dos competidores em etapas anteriores.

 
Ricky Brabec (6º lugar na sexta etapa / 2º lugar na classificação geral das motos)

“Foi um dia duro. A temperatura não atrapalhou, mas o vento foi um fator determinante. Complicado rodar o dia inteiro com o vento incomodando. Em um momento do roteiro fiquei seriamente preocupado com o combustível, o que me levou a baixar o ritmo, mas na fase final voltei a forçar. De um modo geral esta etapa foi positiva para mim: faltando quatro jornadas, estou feliz por estar com os primeiros. Vou seguir lutando e pretendo aumentar o ritmo, pois eu me sinto ótimo e 100% fisicamente.”    

 
Kevin Benavides (2º lugar na sexta etapa / 4º lugar na classificação geral das motos)

“Foi um bom dia para mim. Mudei minha estratégia e comecei a forçar mais nesta segunda semana do Dakar, e realmente dei o máximo na sexta etapa. A ideia era terminar o mais à frente possível e assim esta segunda posição na etapa representa um objetivo atingido, apesar do tempo que perdi na parte final. Vamos seguir em frente e não podemos desperdiçar nenhum tempo nas etapas que virão.”

 
José Ignacio Cornejo (10º lugar na sexta etapa / 12º lugar na classificação geral das motos)

“O dia foi positivo, apesar de difícil, com muita areia e pedras no roteiro. No começo da etapa, as dunas eram muito difíceis de superar por causa da areia solta. Apesar de ter aberto o dia por conta da minha segunda posição na etapa anterior, consegui estabelecer um bom ritmo, me senti confortável e espero continuar assim nos quatro dias que restam. Vou continuar dando tudo de mim.”

 
Raul Castells – MONSTER ENERGY HONDA TEAM MANAGER

“A sexta etapa foi muito boa para Kevin, que confirmou o segundo lugar no dia. Ricky perdeu algum tempo buscando um waypoint, mas não foi nada de mais. Em geral, estamos contentes com a performance de nossos três pilotos: dois estão lutando pela vitória e Nacho os está ajudando muito. Seguiremos em busca da vitória final, os pilotos que ocupam as cinco primeiras posições na classificação geral estão separados por uma diferença de tempo ínfima e tudo pode acontecer. O Dakar deste ano será decidido na etapa derradeira.”   

DAKAR 2019
13 de janeiro de 2019 – domingo
6º ETAPA - Resultado 

 
1 - #6 - PABLO QUINTANILLA - ROCKSTAR ENERGY HUSQVARNA FACTORY RACING - 03H 50' 47'' 
2 - #47 - KEVIN BENAVIDES - MONSTER ENERGY HONDA TEAM  - 03H 52' 39'' / + 00H 01' 52''     
3 - #1 - MATTHIAS WALKNER - RED BULL KTM FACTORY TEAM - 03H 55' 08'' / + 00H 04' 21''         
4 - #3 - TOBY PRICE - RED BULL KTM FACTORY TEAM - 03H 55' 35'' / + 00H 04' 48''
5 - #4 - ADRIEN VAN BEVEREN - YAMALUBE YAMAHA OFFICIAL RALLY TEAM - 03H 56' 18'' / + 00H 05' 31''      
6 - #15 - RICKY BRABEC - MONSTER ENERGY HONDA TEAM - 03H 58' 17'' / + 00H 07' 30''
7 - #11 - STEFAN SVITKO - SLOVNAFT TEAM      - 03H 59' 07'' / + 00H 08' 20''
8 - #29 - ANDREW SHORT - ROCKSTAR ENERGY HUSQVARNA FACTORY RACING - 04H 04' 41'' / + 00H 13' 54''   
9 - #77 - LUCIANO BENAVIDES - RED BULL KTM FACTORY TEAM       - 04H 06' 00'' / + 00H 15' 13'' 
10 - #10 - JOSE IGNACIO CORNEJO FLORIMO - MONSTER ENERGY HONDA TEAM 2 - 04H 12' 34'' / + 00H 21' 47''

DAKAR 2019
13 de janeiro de 2019 – domingo
CLASSIFICAÇÃO GERAL APÓS A 6ª ETAPA

1 - #6 - PABLO QUINTANILLA - ROCKSTAR ENERGY HUSQVARNA FACTORY RACING - 20H 45' 13'' 
2 - #15 - RICKY BRABEC - MONSTER ENERGY HONDA TEAM  - 20H 49' 51' / + 00H 04' 38''  
3 - #3 - TOBY PRICE - RED BULL KTM FACTORY TEAM  - 20H 50' 30'' / + 00H 05' 17''  
4 - #47 - KEVIN BENAVIDES - MONSTER ENERGY HONDA TEAM  - 20H 53' 14'' / + 00H 08' 01''        
5 - #4 - ADRIEN VAN BEVEREN - YAMALUBE YAMAHA OFFICIAL RALLY TEAM - 20H 54' 28''  / + 00H 09' 15''     
6 - #1 - MATTHIAS WALKNER - RED BULL KTM FACTORY TEAM - 20H 55' 59'' / + 00H 10' 46''
7 - #14 - SAM SUNDERLAND - RED BULL KTM FACTORY TEAM - 21H 06' 19'' / + 00H 21' 06''
8 - #11 - STEFAN SVITKO - SLOVNAFT TEAM - 21H 17' 09'' / + 00H 31' 56''         
9 - #18 - XAVIER DE SOULTRAIT - YAMALUBE YAMAHA OFFICIAL RALLY TEAM - 21H 23' 17'' / + 00H 38' 04''     
10 - #29 - ANDREW SHORT - ROCKSTAR ENERGY HUSQVARNA FACTORY RACING - 21H 24' 09'' / + 00H 38' 56''
12 - #10 - JOSE IGNACIO CORNEJO FLORIMO - MONSTER ENERGY HONDA TEAM - 21H 56' 07'' / + 01H 10' 54''

Por Leo Tavares com colaboração de Mundo Press e foto de Honda Racing

A organização do Campeonato Mineiro de Rally Baja divulgou o calendário da temporada 2019. São esperados os melhores competidores do Brasil nas trilhas das Minas Gerais.

Confira abaixo as datas e prepare suas motos e UTVs.

1º e 2º Etapas - Patos de Minas - 15/16 e 17 de março - Etapa Dupla (Brasileiro e Mineiro)

3º Etapa: Capitólio - 27 e 28 de abril

4º Etapa: Mariana - 25 e 26 de maio

5º Etapa: Pará de Minas - 27 e 28 de julho

Por Leo Tavares direto da redação.

 

A produção de motocicletas fechou 2018 em alta, seguindo a curva de crescimento registrada durante todo o ano. De acordo com dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo, de janeiro a dezembro do ano passado foram fabricadas 1.036.846 unidades no Polo Industrial de Manaus – PIM. O volume representa alta de 17,4% em relação ao total de 2017, quando saíram das linhas de produção 882.876 motocicletas.

O resultado do ano, segundo Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo, é reflexo da retomada da confiança por parte do consumidor, da recuperação econômica e do aumento da oferta de crédito, além do número significativo de lançamentos de novos modelos pelas fabricantes de motocicletas.

“O volume final ficou bem próximo da nossa projeção revisada, que era de 1.035.000 unidades e crescimento de 17,2%, demonstrando o otimismo da entidade em relação ao setor e a recuperação do cenário econômico no País”, diz Fermanian.

De acordo com os dados da Abraciclo, somente em dezembro foram produzidas 67.812 motocicletas, volume 1,7% inferior ao registrado no mesmo período em 2017 (69.008 unidades). Em comparação a novembro de 2018, a queda foi de 24,7% (90.108 unidades).

Para 2019, conforme o executivo, o setor projeta a produção de 1.080.000 unidades, o que significará uma alta de 4,2% sobre as 1.036.846 unidades fabricadas em 2018. “Estamos confiantes no aumento dos negócios, mas é necessário aguardar os impactos das medidas que serão implementadas pelo novo governo”, diz.

VENDAS NO ATACADO

As vendas do atacado – das fabricantes para as concessionárias – acompanharam o crescimento da produção, fechando 2018 com uma alta de 17,6% em relação a 2017. De janeiro a dezembro do ano passado, 957.617 unidades foram comercializadas, ante 814.573 unidades de 2017.

Em dezembro foram vendidas 66.915 motocicletas no atacado, volume 2,4% inferior ao mesmo mês de 2017 (68.534 unidades) e 23,1% menor do que o comercializado em novembro de 2018 (87.041 unidades).

DESEMPENHO POR CATEGORIA

Ao todo, em 2018 foram comercializadas no atacado 484.182 motocicletas da categoria Street, volume 16,6% maior do que o registrado em 2017 (415.225 unidades). A categoria que mais cresceu, no entanto, foi a Motoneta, com alta de 26,6% (142.835 unidades) em relação a 2017 (112.796 unidades). As demais categorias também acompanharam a curva de crescimento com aumentos de 15,7% na Trail (201.145 unidades), 15,3% na Scooter (67.183 unidades) e 16,9% na Naked (22.670 unidades).

A categoria Street manteve, em 2018, a maior participação em relação às demais, representando 50,6% das vendas no atacado, seguida pela Trail com 21% e pela Motoneta, que ampliou sua fatia para 14,9%. Na sequência, ficaram a Scooter (7%) e a Naked (2,4%).

O desempenho de todas as categorias de motocicletas encontra-se na tabela abaixo.

VENDAS NO ATACADO POR CATEGORIA
CATEGORIAS
JAN-DEZ 2017
JAN-DEZ 2018
PAR. (%)
VAR.
(2018/2017)
Dez/18
PAR. (%)
STREET
415.225
484.182
50,6%
16,6%
33.098
49,5%
TRAIL
173.785
201.145
21,0%
15,7%
12.357
18,5%
MOTONETA
112.796
142.835
14,9%
26,6%
10.820
16,2%
SCOOTER
58.288
67.183
7,0%
15,3%
5.113
7,6%
NAKED
19.386
22.670
2,4%
16,9%
1.854
2,8%
BIGTRAIL
14.387
16.674
1,7%
15,9%
1.147
1,7%
OFF-ROAD
8.297
10.110
1,1%
21,9%
1.322
2,0%
CUSTOM
6.845
7.142
0,7%
4,3%
734
1,1%
SPORT
5.387
5.605
0,6%
4,0%
465
0,7%
TOURING
177
71
0,0%
-59,9%
5
0,0%
TOTAL
814.573
957.617
 
17,6%
66.915
 
 
Fonte: Associadas da Abraciclo

Depois de enfrentarem quase 800 quilômetros na terceira etapa do Dakar, entre San Juan de Marcona e Arequipa, a equipe X Rally Team agora se prepara para a etapa maratona, na qual não pode haver nenhum tipo de assistência das equipes. Os competidores da categoria UTV partem de Arequipa rumo a Tacna em 664 quilômetros, dos quais 405 são cronometrados.

Ainda falando da etapa do dia anterior, Beco Andreotti resumiu bem o que foi o terceiro dia do Dakar. “Foi a especial mais difícil que já fiz na minha vida”, diz o navegador tricampeão do Rally dos Sertões e com 20 anos de experiência no off-road.

“Muito, muito difícil. Especial completa, que tinha de tudo. Paramos para trocar dois pneus furados e depois para trocar uma correia; e o deslocamento final foi de matar. Foram 460 quilômetros por uma das estradas mais perigosas do mundo, e por onde se olhava havia cruzes na beira da pista: só tinha barrancos altíssimos subindo a serra, na beira do mar. Acho que vi umas 200 cruzes fincadas pelo caminho – tudo sinalizando de gente que sofreu acidente fatal naqueles pontos”, descreveu Andreotti.

“Tá loco. Muito trânsito, caminhão, gente passando em fila dupla, tendo de parar, um frio congelante, de matar mesmo. O Cristian chegou a ter soluços por causa do frio”, lembrou Beco. No acampamento em Arequipa, as equipes de apoio chegaram a experimentar a sensação térmica inferior a zero grau – isso depois de enfrentarem mais de 30 graus de calor durante o dia.

“O importante é que chegamos, completamos a especial toda e bem. Agora vamos para a maratona e o objetivo é completar sem problemas”, finalizou o navegador, que durante a etapa chegou a estar com o terceiro melhor tempo nos primeiros waypoints.

Os UTVs da X Rally Team largam para a quarta etapa logo mais. Marcos Baumgart e Kleber Cincea, no 412, ocupam a sexta posição na classificação geral e partem para a prova às 10h04 locais (13h04 de Brasília); Cristian Baumgart e Beco Andreotti, em 14º na somatória de tempos, partem com o 398 às 10h12 (13h12 de Brasília). Serão 259 quilômetros de deslocamentos e 405 de especial cronometrada, totalizando 664 na primeira parte da maratona.

Resultado – UTVs (SxS):
3ª etapa: San Juan de Marcona - Arequipa (331 km cronometrados)
7. Marcos Baumgart/Kleber Cincea (Can-Am) – 5h03min21s (27min23s do líder)
9. Cristian Baumgart/Beco Andreotti (Can-Am) – 5h15min39s (39min41s do líder)

Classificação geral – UTVs (SxS):
6. Marcos Baumgart/Kleber Cincea (Can-Am) – 10h35min53s (35min05s do líder)
14. Cristian Baumgart/Beco Andreotti (Can-Am) – 11h26min20s (1h25min52s do líder)

O TRAJETO DO DAKAR 2019 NO PERU

10/01 (qui): 4ª Etapa: Arequipa > Tacna
(Deslocamentos: 259 km; Especial: 405 km; Total; 664 km)

Por Leo Tavares com colaboração da P1 Media Relations com foto de Gustavo Epifânio/photosdakar.com