O Six Days Chile chegou ao seu 4° dia de competição e Maurício Brandão tem informações quentes direto da largada da prova. Imagens de Dines Zamai. E fiquem ligados e na torcida pelos nosso pilotos

Para os pilotos mineiros de Regularidade o ano de 2019 já começou! Foi divulgado hoje pela FMEMG as datas e cidades que irão receber o Campeonato Mineiro da modalidade.

Entre elas, o tradicional Enduro Ibitipoca Off Road que completa no ano que vem seus 30 anos de aventura pelas trilhas da Zona da Mata próxima a Juiz de Fora e Lima duarte. Outra prova consagrada que irá fazer parte do calendário e o Enduro dos Ipês Off Road na região de Lavras.

Então vai anotando aí e prepare sua moto e espírito que em 2019 será incrível o regularidade em Minas Gerais.

17 de Março - São João Del Rey/Enduro das Cavas
07 de Abril - Piunhi/Portal da Canastra
18 e 19 de Maio - Lavras/Enduro dos Ipês Off Road
09 de Junho - Resende Costa/Enduro das Lajes 
14 de Julho - Paraguaçu/Vemp
03 e 04 de Agosto - Juiz de Fora/Ibitipoca Off Road

Por Leo Tavares direto da redação.

Patrik Capila fez sua estreia no Six Days de Enduro de forma segura e consistente. Atrapalhado por pilotos mais lentos e muita poeira à sua frente, o piloto da Yamaha O2BH América Racing larga mais na frente amanhã e espera um melhor resultado.

Capila ocupa a 22ª colocação na Categoria E3. A seleção Brasileira ocupa a 11ª colocação.

Colaboração e foto: O2BH Yamaha/janjaosantiago

om crescimento da produção em 26,1% em relação ao mesmo mês do ano passado, a indústria estima que serão fabricadas
quase 1 milhão de unidades em 2018

O setor de motocicletas seguiu em curva de crescimento em outubro. Dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo mostram que no décimo mês do ano as fabricantes instaladas no Polo Industrial de Manaus – PIM produziram 99.210 unidades, volume 26,1% superior ao realizado no mesmo mês do ano passado (78.670). Houve expansão também sobre setembro do presente ano (80.690 unidades), com alta de 23%.

No desempenho de janeiro a outubro (876.301 unidades) o avanço foi de 19,9% sobre o acumulado do ano passado (730.762 unidades). Para Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo, este resultado faz com que as fabricantes fiquem mais otimistas para superar a meta projetada para o ano, que é de crescimento de 11% sobre a produção de 2017, totalizando 980 mil unidades.

“O desempenho também nos deixa mais otimistas quanto ao comportamento do consumidor no próximo ano, que poderá manter a demanda em alta”, comenta Fermanian. O executivo ainda ressalta que os mesmos fatores macroeconômicos que impulsionaram as vendas em setembro continuaram a repercutir em outubro, como redução do índice de inadimplência, maior oferta de crédito pelas instituições financeiras, expansão de negócios de consórcio e o crescimento da confiança do consumidor.

As vendas do atacado – das fabricantes para concessionárias – acompanharam o crescimento da produção. Em outubro foram repassadas às lojas 91.621 unidades, alta de 31,6% sobre o mesmo mês do ano passado (69.620).

Na comparação com setembro (76.669 unidades), o avanço foi de 19,5%. E no acumulado dos dez meses o crescimento foi de 19,4%, sendo 803.368 unidades em 2018 sobre 672.970 no ano anterior.

Entre as categorias com mais motocicletas comercializadas em outubro os destaques foram a Street, que aparece no topo do ranking com 49,4% de participação (45.219 unidades); a Trail, com 19,5% (17.896); e a Motoneta, com 19,1% (17.466). Na sequência, vieram Scooter, com 6,2% (5.685), e Naked, com 2,4% (2.222 unidades).

Confira a seguir as características básicas das motocicletas de cada categoria:

Street – Motocicleta de baixa ou média cilindrada destinada ao uso urbano.

Trail – Motocicleta de baixa ou média cilindrada destinada ao uso misto, tanto em vias pavimentadas quanto em terreno não pavimentado.

Motoneta – Motociclo underbone, pilotado com o condutor na posição sentado, destinado ao uso urbano, de baixa cilindrada e dotado de câmbio automático ou semiautomático.

Scooter - Motociclo pilotado com o condutor na posição sentado e dotado de câmbio automático ou semiautomático, concebido para privilegiar o conforto.

Naked – Motocicleta sem carenagem, com motor propositalmente exposto e de alto desempenho, concebida para a utilização em terrenos pavimentados. Semelhante a uma motocicleta versão “sport”, sem a carenagem.

Big Trail – Motocicleta de média ou alta cilindrada destinada ao uso misto em terrenos pavimentados e não pavimentados.

Off Road – Motocicleta de qualquer cilindrada destinada exclusivamente à utilização em pisos não pavimentados.

Custom – Motocicleta caracterizada por sua vocação para percursos de estrada, destacadamente os mais longos, chamadas de “estradeiras”, que não priorizam velocidade e, sim, conforto.

Sport - Motocicletas de cilindradas médias ou superiores com carenagem que privilegia a aerodinâmica e o alto desempenho.

Ciclomotor – Veículo de duas ou três rodas, provido de um motor de combustão interna, cuja cilindrada não exceda a 50 cm³.

Touring – Motocicletas usualmente de alta cilindrada concebidas para a utilização em turismo e viagens de grandes distâncias. 

Emplacamentos

Com base nos dados do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), as vendas de motocicletas no varejo totalizaram 83.325 unidades em outubro, representando uma alta de 22,1% sobre o mesmo mês de 2017 (68.236 unidades). Na comparação com setembro (74.067 unidades), houve crescimento de 12,5%.

No acumulado de janeiro a outubro as vendas no varejo aumentaram 10%, totalizando 779.253 unidades, ante 708.299 unidades no mesmo período do ano passado.

A média diária de vendas em outubro ficou em 3.788 unidades, comercializadas em 22 dias úteis, volume que corresponde a uma elevação de 16,6% sobre o mesmo mês do ano passado (3.249 unidades), que teve 21 dias úteis. Na comparação com setembro (3.898 unidades), que contou com 19 dias úteis de comercialização, houve queda 2,8%.

Exportações

Em outubro foram enviadas para outros países 5.164 motocicletas fabricadas no PIM, significando queda de 33,5% sobre o mesmo mês de 2017 (7.761 unidades). Já na comparação com setembro (3.336 unidades) houve alta de 54,8%. A Argentina foi o principal destino com 52,7% de participação, seguida dos Estados Unidos, com 27%, Colômbia, com 5,7% e Austrália com 2,8%.

As exportações no acumulado de janeiro a outubro totalizaram 62.296 motocicletas, representando uma alta de 7% sobre as 67.005 unidades exportadas no mesmo período do ano passado.

Colaboração e foto: Abraciclo/Arquivo CF

Edição limitada a 250 unidades tem como base a versão Trailhawk, com teto solar removível e diferenciais de estilo que remetem à origem militar da marca

O Salão Internacional do Automóvel de São Paulo é palco para a apresentação da série limitada Jeep® Renegade Willys , que homenageia a marca que criou os primeiros veículos da Jeep e, mais especificamente, a origem do modelo pioneiro de 1941, feito para sob encomenda para o exército dos Estados Unidos.

Serão apenas 250 unidades, com base na versão Trailhawk, acrescida de vários diferenciais de estilo. A exemplo das inscrições “Willys” nos para-lamas dianteiros e “4-Wheel Drive” na tampa traseira, como era comum nos “antepassados” do Jeep Renegade. E ainda há as estrelas nas colunas C, também bordadas nos encostos dos bancos dianteiros. Na alça à frente do passageiro dianteiro, no painel, uma plaqueta indicará a numeração dentro da série limitada.

Em relação à já extensa lista de itens de série do Jeep Renegade Trailhawk, a edição Willys terá o acréscimo do do teto solar My Sky. Com duas peças removíveis, sendo que a primeira também tem abertura elétrica, esse teto é uma lembrança da liberdade ao ar livre que a marca propõe.

A pintura da carroceria do Jeep Renegade Willys será sempre Verde Recon, combinada a várias peças externas com acabamento escuro, como as rodas, emblemas, molduras de grade e para-choques e capas de retrovisores.

Cada cliente vai ganhar ainda um kit formado por itens exclusivos: jaqueta da marca Jeep Gear, garrafa térmica, plaqueta de identificação ao estilo do exército americano e maleta no formato de galão de combustível (“jerry can”) dos Jeep militares. O lançamento será no próximo semestre.

Combatente histórico

Como o Renegade Willys presta tributo à origem militar da Jeep, nada melhor do que mostrar um dos bravos “soldados” mais representativos. Por isso, o estande da marca exige com orgulho um Jeep Willys M-38A1 de 1953, a terceira geração dos modelos militares, iniciada com o MB e seguida pelo M-38.

Esse veículo tem enorme importância para a Jeep, pois antecipou as evoluções da versão civil, o CJ-5, que seria lançado em 1955 nos EUA, como o capô com as bordas mais arredondadas e os para-lamas dianteiros mais envolventes. O Jeep CJ-5 se tornaria um dos mais populares da marca, com mais de 600 mil unidades produzidas ao longo de quatro décadas, inclusive no Brasil – entre 1957 e 1982.

Além disso, o M38A1 também ficou famoso por ter sido usado na guerra da Coréia. Um de seus muitos motoristas ao longo dos muitos anos de serviços ao redor do mundo, foi Elvis Presley, que esteve no exército norte-americano entre 1958 e 1960 na Alemanha, mesmo já sendo um astro da música.

Colaboração e foto: FIAT

Bela disputas marcaram o evento, realizado no último fim de semana, dias 3 e 4 de novembro, na Lapa. Campeões puderam comemorar a conquista dos títulos em 19 categorias após a grande final do Campeonato Paranaense de Velocross 2018, realizada no último fim de semana, dias 3 e 4 de novembro, no Parque de Exposições e Eventos da Lapa, cidade localizada na região metropolitana de Curitiba.

Na verdade, para cinco deles a festa começou antes, uma vez que conquistaram a taça de forma antecipada: João Victor da Silva – na Intermediária Especial, Pedro Miguel Alves – na TR50cc, Vitor de Oliveira – na TR100F, Matheus Ribeiro – na Street e Marcio Lago – na VX4 Nacional.

E teve até comemoração dupla, Lago ainda ergueu o caneco da VX3 Nacional. Já Jacson Keil foi campeão na categoria principal, a VX1, e também na Força Livre Nacional, enquanto Nasri Sarkiss ganhou as classes VX4 Especial e VX5.

Os demais campeões foram João Vitor de Lima – 65cc, Jorge Simões – 85cc, Roberto Ançay Filho – Intermediária Nacional, Alex Júnior – 230cc, Ismael Rojas – VX2, Paulo Stedile – VX3 Especial, Tatiane Lobchenko – VXF Especial e Mozara Bittencourt – VXF Nacional.

Vale destacar o título de Lucas Nogueira na TR100F Adultos, disputa lançada pela Pro Tork, na qual pilotos acima de 18 anos aceleraram com a minimoto original da marca. Foram distribuídos R$ 5 mil em premiação por etapa, um total de R$ 35 mil ao longo da temporada. E o campeão ainda ganhou uma TR100F.

Benefícios conquistados pela FPRM para seus filiados

A Federação Paranaense de Motociclismo firmou várias parcerias ao longo do ano com o objetivo de fomentar o esporte e facilitar a participação de atletas, principalmente amadores, nas competições estaduais. A Pro Tork, parceira da entidade há 19 anos, garantiu inscrição gratuita para quem utilizou o equipamento completo da marca, e ainda ofereceu 30% de desconto nos escapamentos off road. Além disso, a Pirelli reduziu o valor dos pneus para os pilotos federados, através de parceria com a Orma Motos.

Confira os resultados da final: http://www.fprm.com.br/resultados-velocross-2018.asp

Confira a classificação: http://www.fprm.com.br/ranking-2018.asp

O Campeonato Paranaense de Velocross é organizado pela Federação Paranaense de Motociclismo e tem o patrocínio da Pro Tork – maior fábrica de motopeças da América Latina e líder mundial na produção de capacetes, além do apoio da 5inco Factory Concepts.

Colaboração e foto: ID – Assessoria de Comunicação Estratégica/Agnaldo Ferreira

Além de garantir os títulos das categorias Elite e E1 por antecipação, time vermelho venceu todas as etapas do campeonato; Honda Motofield é campeã das classes E4 e E8 e da disputa por equipes.

A sexta e última etapa da Copa EFX Brasil de Enduro FIM, disputada em Mauá, na Grande São Paulo, neste domingo (11), confirmou o domínio da equipe Honda Racing na competição. A prova foi vencida pelo piloto Júlio Ferreira, que já havia garantido o título da classificação geral e da categoria Elite na etapa anterior, disputada em Bragança Paulista (SP). Com o triunfo do piloto mineiro, o time vermelho atinge 100% de aproveitamento na competição, ao vencer todas as etapas.

Na derradeira prova da competição, além da vitória de Ferreira na categoria Elite, a Honda Racing emplacou o segundo melhor tempo com Gabriel “Tomate” Soares, que disputa a mesma classe - ambos pilotam a motocicleta Honda CRF 450RX. Já o carioca Nicolás Rodriguez, campeão da categoria E1 por antecipação, não disputou a prova em Mauá por estar defendendo a seleção brasileira no International Six Days Enduro, no Chile.

“Estou muito feliz em fechar o ano com mais uma vitória”, disse o campeão geral Júlio Ferreira. “É sempre bom andar nas provas da Copa EFX, tenho muito prazer em correr nessa competição, que apresenta alto nível técnico. Hoje, mais uma vez, a organização caprichou na montagem do percurso e pude terminar o dia com um ótimo resultado, já pensando em 2019”, afirmou.

Gabriel “Tomate” Soares também saiu da prova satisfeito. “A etapa final foi muito divertida, como todas as provas da Copa EFX. Pude manter o ritmo de corrida de olho na temporada que vem e realizar uma boa corrida”, disse o piloto, que também é de Minas Gerais.

O percurso do desafio incluiu túneis escuros e reta às margens da represa Bilings. Em função de uma forte chuva na véspera, uma subida de 2 km foi retirada do roteiro por conta das dificuldades do obstáculo. Os pilotos tiveram que superar três testes cronometrados em cada volta (foram três, no total), em um percurso de aproximadamente 30 quilômetros. O evento gratuito teve como base o Grêmio Esportivo Mauaense, sendo que a Copa EFX é patrocinada pela Honda.

A equipe Honda Racing de Enduro FIM conta com o patrocínio da Honda, D.I.D correntes e Mobil.

Outros resultados - O piloto Marcos Oliveira, da equipe Honda Motofield, venceu a prova da E4 e sagrou-se campeão da categoria. Fernando Pereira, da mesma equipe, também fechou a competição com um troféu, na E8. Por fim, a Honda Motofield foi a grande campeã da disputa por equipes, garantindo a conquista com um triunfo na etapa deste domingo.

Copa EFX Brasil - 6ª etapa
Mauá (SP)

Resultado das corridas

Classificação geral
1 - Júlio Ferreira - Honda CRF 450RX - 0:33:44.95
2 - Gabriel “Tomate” Soares - Honda CRF 450RX - 0:34:02.48
3 - Marcos Oliveira (Honda Motofield) - Honda CRF 230F - 0:37:03.61
4 - Vinícius da Silva - 0:37:06.54
5 - Fernando Pereira (Honda Motofield) - Honda CRF 230F - 0:37:29.47

Elite
1 - Júlio Ferreira - Honda CRF 450RX - 0:33:44.95
2 - Gabriel “Tomate” Soares - Honda CRF 450RX - 0:34:02.48
3 - Vinícius da Silva - 0:37:06.54

E1
1 - Vitor Menino (Honda Motofield) - Honda CRF 250R - 0:38:15.16
2 - Gabriel Mattos - 0:40:39.74

E4
1 - Marcos Oliveira (Honda Motofield) - Honda CRF 230F - 0:37:03.61
2 - Yan Proque (Honda Motofield) - Honda CRF 230F - 0:38:20.33
3 - Ravi Lopes - 0:38:37.04
4 - Mário Matayoshi - 0:55:50.20
NC - José Reinaldo - 11:04:55.09

E8
1 - Fernando Pereira (Honda Motofield) - Honda CRF 230F - 0:37:29.47
2 - Otávio Cardoso - 0:38.29.82
3 - Murilo Rodrigues - 0:39:42.13
4 - Pedro Motta (Honda Motofield) - Honda CRF 230F - 0:41:35.98
5 - Vitório Motta - 0:41:56.05

Over 45
1 - Fábio Bizarria - 0:40:34.69
2 - Júlio César Pereira - 0:41:36.73
3 - Evandro Bozzetti (Honda Motofield) - Honda CRF 250R - 0:41:57.21
4 - Clodoaldo Uemura - 0:44:15.05
5 - Joel Calegaretti Junior - 0:48:18.96

Equipes
1 - Honda Motofield (Marcos Oliveira, Fernando Pereira e Vitor Menino) - 1:52:48.24
2 - Impact Motos Racing (Ravi Lopes, Vinicius Aguilar e Clericson Alan) - 2:00:57.56
3 - HSS (Claudiney Couto, Marcio Tazzinazo Grandão e Júlio César Pereira) - 2:02:21.71.

Colaboração e foto: Mundo Press/Reanto Fernandes

A temporada 2018 do GP Gerais encerrou em grande estilo com os melhores pilotos do Brasil. O Circuito dos Cristais em Curvelo Minas Gerais, recebeu a quinta e última etapa do GP Gerais, prova válida pelo campeonato brasileiro e mineiro de Motovelocidade no dia 4/11/2018. Bem diferente das etapas anteriores, desta vez os competidores enfrentar um desafio a mais, correram pela primeira vez com chuva pelo circuito.

A primeira corrida do dia foi com a categoria 300 cilindradas bateu o record o número de pilotos no grid de largada. Foi uma corrida emocionante de ponta a ponta ainda com asfalto seco. E São Pedro que não queria ficar de fora e mandou uma chuva torrencial que apimentou a corrida da categoria 600 cilindradas. Para muitos pilotos essa foi a primeira corrida do ano debaixo de água.

E o público que acompanhava a prova foi uma visão de pegas emocionantes entre os pilotos se revezavam o primeiro lugar. Com a pista bem molhada a organização de prova verificou as condições para realizar a terceira corrida do dia, a categoria SBK.

Pneus trocados, grid pronto e tensão no ar. Sinal verde para os pilotos da 1000 cilindradas acelerar pelo circuito. Foi uma corrida emocionante a mais de 250 km por hora que levantou muita água na reta de chegada levando o público ao delírio com a passagem dos pilotos em suas motos.

Após uma pausa devido a chuva, era a hora da categoria light e naked entrarem na pista.
Grid cheio e motos alinhadas prontas para última corrida do dia. Foi uma corrida sensacional disputada entre os pilotos na grande final do GP Gerais que consagrou os melhores pilotos do campeonato mineiro 2018.

Confira como ficou o resultado da quinta etapa do GP Gerais e do campeonato mineiro de Motovelocidade.

CLASSIFICAÇÃO 5ª ETAPA – SUPERSPORT 300cc
1º Lugar – Bruno César Borges numera 51 “GILBERTO MOTOS/BRASÍLIA”
2º Lugar – Rodrigo Gregório numeral 08 “ELLO RACING, PERES FILHO, VOXX, CRISTAL GRAFFITI, RTG MANUTENÇÕES/VILA VELHA”
3º Lugar – Lincoln Melo numeral 129 “TECFIL RACING TEAM, ALFA X, MAXRACING, ITAIPU, JESKAP, BMW GRAND BRASIL, IOG, UDIAÇO/ SÃO PAULO”
4º Lugar – Gui Magalhães numeral 41 “JERÊ PERFORMANCE, GRM CONSTRUTORES, FIVE FITNESS / MONTES CLAROS”
5º Lugar – Diego Martinez Hilel, numeral 44 “SEVEN RACING, NORTE MINAS / NOVA LIMA”

CLASSIFICAÇÃO CAMPEONATO – SUPERSPORT 300cc
1º Lugar – Diego Martinez Hilel numeral 44 “SEVEN RACING, NORTE MINAS / NOVA LIMA”
2º Lugar – Rodrigo Gregório numeral 08 “ELLO RACING, PERES FILHO, VOXX, CRISTAL GRAFFITI, RTG MANUTENÇÕES/VILA VELHA”
3º Lugar – Bruno César Borges numera 51 “GILBERTO MOTOS/BRASÍLIA”
4º Lugar – Gui Magalhães numeral 41 “JERÊ PERFORMANCE, GRM CONSTRUTORES, FIVE FITNESS / MONTES CLAROS”
5º Lugar – Raphael Felix Lopes numeral 14 “JERÊ PERFORMANCE / MONTES CLAROS”

CLASSIFICAÇÃO 5ª ETAPA – SUPERSPORT 600cc
1º Lugar – Eduardo Barros Marques numeral 231 “MOTOBEL RACING, MOTOBEL MOTOS, LIFE IN TELECOM / SÃO LUÍS DE MONTE BELOS”
2º Lugar – Michel Velludo numeral 48 “TATORACING, TERRANEW, YAMAHA, LS TRACTOR / RIBEIRÃO PRETO”
3º Lugar – Sérgio Laurentys numeral 71 “FELTRIN MOTORSPORTS / SÃO PAULO”
4º Lugar – Fernando Souza Martins numeral 94 “EM RACING, CONSULTAR, ONE MUSIC BH, HOT DOG GERMANO LOYOLA / BELO HORIZONTE”
5º Lugar – Régis Santos numeral 20 “357 RACING, PRT / RECIFE”

CLASSIFICAÇÃO CAMPEONATO SUPERSPORT
1º Lugar – Antônio Franzen numeral 10 “O2BH KAWASAKI, AGUA INGÁ, TURANO CONSTRUTORA, SANTA CRUZ-HEL / BELO HORIZONTE”
2º Lugar – Régis Santos numeral 20 “357 RACING, PRT / RECIFE”
3º Lugar – Michel Velludo numeral 48 “TATORACING, TERRANEW, YAMAHA, LS TRACTOR / RIBEIRÃO PRETO”
4º Lugar – Ricardo Juliani numeral 76 “NOVA4 RACING, ROTILI SEGUROS / BRASÍLIA”
5º Lugar – Eduardo Barros Marques numeral 231 “MOTOBEL RACING, MOTOBEL MOTOS, LIFE IN TELECOM / SÃO LUÍS DE MONTE BELOS”

SBK – EVO
1º Lugar – Pedro Barata Lins numeral 23 “CENTER MOTO / RIO DE JANEIRO”
2º Lugar – Túlio Resende numeral 42 “RAIO RACING, ITADECOR/PREFEITURA DE ITABIRITO/IMG CONSTRUÇÕES/TYNAKA IMÓVEIS / ITABIRITO”

SBK – MASTER
1º Lugar – Nestore Guarino numeral 06 “TATO RACING, TERRANEW, LS TRACTOR, BUBRAS, YAMAHA / RIBEIRÃO PRETO”
2º Lugar – Jírios Abboud numeral 100 “NORTE MINAS RACING TEAN/ GOVERNADOR VALADARES”
3º Lugar – Gustavo Leite Souza numeral 92 “KTA”
4º Lugar – Michel Abboud numeral 08 “NORTE MINAS RACING TEAN/ BELO HORIZONTE”
5º Lugar – Elson Tenebra Otero numeral 02 “ECONS ENGENHARIA, VAZ / SÃO PAULO”

SBK – PRO
1º Lugar – Danilo Lewis numeral 17 “TECFIL, ALFA X, MAXRACING, ITAIPU, JESKAP, BMW GRAND BRASIL, IOG, UDIAÇO / OSASCO”
2º Lugar – Ian Lucas Testa numeral 37 “BSB MOTOR RACING, WESLEY TESTA PILOTAGEM / BRASÍLIA”
3º Lugar – Rodrigo Calmon Dazzi numeral 146 “ELLO RACING, ELLO, HELT, MAIS VIX, GIROMOTO, BM VITÓRIA / JAGUARÉ”
4º Lugar – Raphael Fletado numeral 96 “357 RACING, PRT / SÃO PAULO”
5º Lugar – Thiago Marchon numeral 126 “TECFIL RACING TEAM”

CLASSIFICAÇÃO CAMPEONATO SBK – GP GERAIS
SBK – EVO
1º Lugar – Pedro Barata Lins numeral 23 “CENTER MOTO / RIO DE JANEIRO”
2º Lugar – Túlio Resende numeral 42 “RAIO RACING, ITADECOR/PREFEITURA DE ITABIRITO/IMG CONSTRUÇÕES/TYNAKA IMÓVEIS / ITABIRITO”

SBK – MASTER
1º Lugar – Jírios Abboud numeral 100 “NORTE MINAS RACING TEAN/ GOVERNADOR VALADARES”
2º Lugar – Nestore Guarino numeral 06 “TATO RACING, TERRANEW, LS TRACTOR, BUBRAS, YAMAHA / RIBEIRÃO PRETO”
3º Lugar – Michel Abboud numeral 08 “NORTE MINAS RACING TEAN/ BELO HORIZONTE”
4º Lugar – Carlos Salgueiro Munhoz numeral 193 “NOVA4 RACING, ROTILI SEGUROS / BRASÍLIA”
5º Lugar – Nelson Mágico numeral 45 “NORTE MINAS RACING TEAN / RIO DE JANEIRO”

SBK – PRO
1º Lugar – Danilo Lewis numeral 17 “TECFIL, ALFA X, MAXRACING, ITAIPU, JESKAP, BMW GRAND BRASIL, IOG, UDIAÇO / OSASCO”
2º Lugar – Ian Lucas Testa numeral 37 “BSB MOTOR RACING, WESLEY TESTA PILOTAGEM / BRASÍLIA”
3º Lugar – Rodrigo Calmon Dazzi numeral 146 “ELLO RACING, ELLO, HELT, MAIS VIX, GIROMOTO, BM VITÓRIA / JAGUARÉ”
4º Lugar – Raphael Fletado numeral 96 “357 RACING, PRT / SÃO PAULO”
5º Lugar – Thiago Marchon numeral 126 “TECFIL RACING TEAM”

NAKED
1º Lugar – Fábio Júnior Gomes Vicente numeral 22 “RAIO RACING, ITADECOR, PREFEITURA DE ITABIRITO, IMG CONSTRUÇÕES, TYNAKA IMÓVEIS, MADEIREIRA PARANAENSE, STAR MOTOPEÇAS / ITABIRITO”
2º Lugar – Tanure Alves Castro numeral 18 “SANTA LUZIA”
3º Lugar – Aureliano Raváglia numeral 68 “CATAGUASES”
4º Lugar – Maurício Alves Leite, numeral 77 “RAIO RACING, CONTINENTAL FERIO / BELO HORIZONTE”

LIGHT – 600cc
1º Lugar – ERIKSON LUCAS MARQUE NUMERAL 40 “BELO HORIZONTE”
2º Lugar – Felipe do Amaral Chaves numeral 131 “CENTER MOTO RACING TEAM / RIO DE JANEIRO”
3º Lugar – Willyans Suhr numera 77 “W VAS RACING. PROJECT77, ARASHI ESCAPAMENTOS / RIO DE JANEIRO”
4º Lugar – Rafael Milazzo numera 115 “RIO DE JANEIRO”

LIGHT – 1000cc
1º Lugar – Ronan dias numeral 29 “357 RACING, MELHOR INOX / BELO HORIZONTE”
2º Lugar – Lucas Cavalcanti numeral 32 “KTA / BELO HORIZONTE”
3º Lugar – Victor Luiz de Oliveira numeral 05 “BELQUIMICA RACING, BELQUIMICA / BELO HORIZONTE”
4º Lugar – Antônio Caribé Cowboy numeral 112 “VILA VELHA”
5º Lugar – Thiago Fagundes numeral 198 “IPATINGA”

CLASSIFICAÇÃO CAMPEONATO NAKED 
1º Lugar – Fábio Júnior Gomes Vicente numeral 22 “RAIO RACING, ITADECOR, PREFEITURA DE ITABIRITO, IMG CONSTRUÇÕES, TYNAKA IMÓVEIS, MADEIREIRA PARANAENSE, STAR MOTOPEÇAS / ITABIRITO”
2º Lugar –  Maurício Alves Leite, numeral 77 “RAIO RACING, CONTINENTAL FERIO / BELO HORIZONTE”
3º Lugar – Artur Gontijo numeral 07 “GORDÃO RACING, FRIGORÍFICO CALAFATE / BELO HORIZONTE”
4º Lugar – Rodrigo Ferreira do Nascimento numeral 171 “GORDÃO RACING, DISK ÁGUA BH EXPRESSO ÁGUA / BELO HORIZONTE”
5º Lugar – Tanure Alves Castro “SANTA LUZIA”

LIGHT – 600cc
1º Lugar – Willyans Suhr numera 77 “W VAS RACING. PROJECT77, ARASHI ESCAPAMENTOS / RIO DE JANEIRO”
2º Lugar – Leandro Douglas de Souza numeral 800 “SEVEN RACIG, SACRAMENTO BH, B10TEAM, MB3, MASKARA PERSONAL TYRES / SETE LAGOAS”
3º Lugar – Felipe do Amaral Chaves numeral 131 “CENTER MOTO RACING TEAM / RIO DE JANEIRO”
4º Lugar – Victor Luiz Carregosa numeral 66 “EMRACING TEAM/ BELO HORIZONTE”
5º Lugar – Charles Fontes numeral 23 “EMRACING TEAM / RIO DE JANEIRO”

LIGHT – 1000cc
1º Lugar – Ronan dias numeral 29 “357 RACING, MELHOR INOX / BELO HORIZONTE”
2º Lugar – Bruno Rodrigues numeral 48 “299 Aliar / TIMÓTEO”
3º Lugar – Victor Luiz de Oliveira numeral 05 “BELQUIMICA RACING, BELQUIMICA / BELO HORIZONTE”
4º Lugar – Giovanni de Souza numeral 97 “MONTES CLAROS”
5º Lugar – Juninho Silva numeral 260 “SEVEN RACING, SERTRAMA MÁQUINAS / CURVELO”

Que venha 2019.

Por Leo Tavares, direto de Curvelo/MG.

A equipe brasileira já está em Viña del Mar, no Chile, onde amanhã (sábado - 10 novembro) acontece o desfile das nações para a disputa do 93º Six Days Enduro, prova mais antiga e tradicional do calendário da FIM – Federação Internacional de Motociclismo. A primeira edição desse evento foi em 1913 e só não foi realizada ininterruptamente devido ao período de guerras mundiais. Apesar de ser realizado anualmente desde a década de 50, é considerado a Olimpíada Mundial do Enduro. Além da competição entre as nações, existem disputas entre clubes de motociclismo de todo o mundo e também há uma premiação que agracia o desempenho individual de cada competidor.

Esse ano participam 400 pilotos de 25 países, mas, principalmente na Europa, o Six Days costuma ultrapassar 600 pilotos com até 40 países inscritos. O nome do Brasil no esporte é o capixaba Bruno Crivilin da Equipe Orange BH KTM América Racing. Ano passado na França ele fez história na competição, com um oitavo lugar, o melhor resultado do time Brasil em todos os tempos. Ele conquistou ainda a Medalha de Ouro na competição individual que é concedida a todos que chegam até 10% do tempo do primeiro colocado.

O melhor brasileiro no ano passado participou da prova recém recuperado de lesões, vindas da disputa do desgastante Red Bull Romaniacs. Nesta edição, Crivilin defende a seleção Brasileira ao lado de Patrik Capila, Gustavo Pellin e Nicolas Rodrigues, selecionados de acordo com o ranking da CBM – Confederação Brasileira de Motociclismo.

Durante os seis dias de prova, os pilotos devem cumprir o percurso que terá uma média de 270 Km por dia. Outra característica do Six Days é que, além de ficar atento ao percurso, o piloto tem que acelerar forte nas especiais e ainda cuidar da manutenção da sua motocicleta. Ainda existem restrições de substituição de peças e cabe exclusivamente ao piloto fazer os reparos necessários: não é permitida a ajuda de mecânicos, a não ser para abastecer as motocicletas. Troca de pneus, regulagens e substituição de peças, durante os seis dias de prova são obrigações dos pilotos.

Bruno Crivilin vai encarar o desafio no Chile com uma KTM 350 EXC-F e está preparado para superar os seus resultados anteriores. “Fiquei feliz pelos resultados históricos que conseguimos no ano passado e quero lutar por um resultado ainda melhor. Tive a oportunidade de fazer a temporada do Mundial de Enduro e conhecer mais de perto o ritmo e a preparação dos pilotos. Essa experiência será importante no decorrer da prova, que é longa e muito difícil, quero chegar até o último dia lutando pela nossa seleção, além de buscar um bom resultado individual também”, explicou o piloto, que está no Chile desde a última terça-feira (6).

A prova começa na próxima segunda-feira (12). O primeiro e segundo dia o percurso será o mesmo, na área de Papudo e Zapallar, região conhecida por suas incríveis praias e montanhas. Já o terceiro e quarto dia a prova vai para o leste de Viña del Mar e no quinto dia a região escolhida é a costa sudeste de Viña, na região de San Antônio e San Domingo. O sexto e último dia (sábado) o teste final será uma disputa de Motocross, em uma pista montada na beira da praia de Viña del Mar.

Colaboração e foto: orange BH/Jnjão Santiago

Com um prólogo curto e competitivo no primeiro dia e duas voltas de 18km de trilhas no segundo, a prova, que misturou muita areia e pedras na região de Lima Duarte e Ibitipoca, foi um sucesso.

A microrregião onde se encontra o Parque Estadual do Ibitipoca, próximo a Juiz de Fora, no sudeste mineiro, foi o cenário escolhido para a realização de mais essa prova. Com uma geografia abundante em montanhas e cachoeiras e clima mais ameno, as cidades de Lima Duarte e Ibitipoca tinham mesmo potencial pra sediar o evento.

A organização optou por fazer um prólogo mais curto e isso apimentou a competição que teve a todo tempo troca de posições. Rigor Ríco da Beta Brasil 3R, após não largar tão bem, fez uma corrida de recuperação e conseguiu vencer no sábado. Ripi Galileu fez o 3º melhor tempo, mas acabou terminando a prova em 4º lugar. O prólogo, como de costume, serviu como definição para a ordem de largada no domingo, segundo dia de prova.

As 9h00 do domingo, o P1 do prólogo, Ríco, largou para enfrentar as duas voltas da prova. Foram 36km no total, com muita areia e pedras. Foram destaque a trilhas “Embratel” e “De Ré”, famosas na região. Ríco terminou o percurso em 2h44m, uma hora na frente do segundo colocado, Benedito de Paulo Coser. Ripi Galileu fechou o pódio em 3º lugar, 3 minutos atrás de Benedito - sem dúvida um resultado apertado. Rígor comentou um pouco sobre a prova:

“_ A areia não é nova pra mim, mas é diferente do meu terreno habitual. Estou mais acostumado com as pedras. Achei legal demais a região porque apesar da chuva, a minha Beta tracionou muito bem e consegui mais um bom resultado. Perfeição não existe, mas posso dizer que tem sido um ano muito produtivo. Quero continuar a acelerar forte para chegar bem no Bolt´s Challenge em Poços de Caldas no dia 25.”

Não é por menos que o garoto está feliz: na última etapa do Brasileiro, o piloto sagrou-se campeão antecipado e prometeu não arrefecer até a final, no sul de Minas. Sem dúvida um bom ano merece uma chave de ouro e nada melhor para isso que uma boa briga na final. Rigor Rico e outros pilotos tentarão a sorte contra Paul Bolton, top 10 do Enduro mundial, em Poços de Caldas. 

Talvez sejamos todos fãs do Bolton, mas nesse desafio a torcida vai para o Brasil.

Resultado Final na Categoria Gold:

1º - Rigor Rico / Beta Motos Brasil
2º - Benedito Coser
3º - Ripi Galileu - Beta Motos Brasil

A Equipe Beta Brasil 3R tem patrocínio da Beta Motors Brasil, 3R Motos, Rinaldi, BMS, Mobil, Pacalub, BC Pneus, Motoarts, Calango, Toro, Ride 100%, Durag e Rebello Fitness.

Colaboração e foto: Limitless/Angelo Savastano